Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 21 de novembro de 2019
Postado por: Equipe CPDMA

STJ indica alteração em entendimento sobre certidão fiscal

Ministros da 3ª Turma indicaram que exigiriam o documento se o caso em análise tratasse de recuperação posterior à Lei nº 13.043/2014.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) poderá mudar o entendimento que dispensa as empresas em recuperação judicial de apresentarem Certidão Negativa de Débitos (CND). Em julgamento nesta semana, os ministros da 3ª Turma indicaram que exigiriam o documento se o caso em análise tratasse de recuperação posterior à Lei nº 13.043/2014 - que instituiu o parcelamento tributário especial para as companhias em crise - e que vão pautar a matéria para “breve”.

A exigência da certidão está prevista no artigo 57 da Lei de Recuperação Judicial e Falências (nº 11.101, de 2005). Esse dispositivo estabelece que o documento deve ser apresentado ao juiz após a juntada nos autos do plano de pagamento que foi acordado com os credores em assembleia-geral. Seria um dos requisitos para a concessão da recuperação.

Mas as empresas sempre conseguiram afastar essa exigência por conta de um outro artigo da lei. O 68 prevê um parcelamento das dívidas com a Fazenda Pública. Há decisão da Corte Especial do STJ de 2013 neste sentido (REsp nº 1187404). Os ministros entenderam que, como naquela época não existia tal programa, não haveria como se exigir a apresentação de certidão fiscal.

Só que o parcelamento foi instituído no ano de 2014 e desde lá a jurisprudência não foi revisada pelo STJ. Em primeira e segunda instâncias, as decisões são divergentes. Parte dos juízes exige a apresentação da CND e outra parte ainda dispensa. O principal argumento daqueles que dispensam a apresentação do documento é de que o programa instituído pela Lei nº 13.043 não atendeu as necessidades do mercado. São 84 parcelas e não há descontos em juros e multas.

O STJ ainda não enfrentou essa discussão. Havia a expectativa de que pudesse ocorrer na terça-feira porque o caso em análise na 3ª Turma, apesar de ser anterior à lei do parcelamento, tinha uma particularidade: a empresa solicitou a aprovação de um novo plano de pagamento no ano de 2015 - ou seja, um ano depois de instituído o programa.

A empresa envolvida nesse processo é a gaúcha Recrusul, de implementos rodoviários (REsp nº 1719894). Para o representante da companhia, Fellipe Bernardes da Silva, não havia como aplicar a regra do parcelamento a esse caso porque não tratava-se de concessão de recuperação judicial. “O que ocorreu foi uma alteração do plano e, nesse caso, não se aplica o artigo 57 da lei”, afirmou ao Valor. Já para a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) a regra deveria ter sido aplicada e a lei do parcelamento teria de ser levada em conta. “Essa reformulação do plano precisa preencher todos os requisitos formais e, dentre eles, a apresentação da CND”, sustentou o procurador João Grognet, coordenador-geral de estratégias de recuperação geral de créditos da PGFN.

Ele chamou a atenção, na tribuna da 3ª Turma, que a dívida no caso em análise era de R$ 86 milhões - R$ 51 milhões com a Previdência Social. A reformulação do plano de pagamento dos credores, disse, envolve a venda do único imóvel, que serviria para pagar até as dívidas da classe de credores quirografários, que, em um processo de falência por exemplo, estão bem atrás do Fisco na ordem de prioridade para o recebimento.

Relatora do caso, a ministra Nancy Andrighi, se disse “sensível as colocações do procurador”, mas, no seu entendimento, a lei não poderia retroagir. Ela negou o recurso da PGFN, mas indicou que se não fosse a questão processual atenderia o pedido. “É só em face disso, desses argumentos de irretroatividade, que eu não estou provendo o recurso”, enfatizou.

O entendimento da ministra foi seguido de forma unânime na turma. Marco Aurélio Bellizze e Villas Bôas Cueva afirmaram que devem pautar para “breve” a matéria. “Não temos condição de modificar, na turma, uma jurisprudência da Corte que só tratou de questão anterior à lei de 2014. Mas eu estou pautando um recurso especial”, disse Bellizze.

Fonte: Joice Bacelo via Valor Econômico.

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram