Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 31 de agosto de 2020
Postado por: Equipe CPDMA

A insegurança jurídica do cenário empresarial e os decretos na pandemia da Covid-19

É inegável que a pandemia causada pela Covid-19 teve alcance global, inclusive para além do campo da saúde. Em Porto Alegre não seria diferente: para o combate à proliferação do vírus, desde março de 2020, tanto o Governo Federal quanto o Estadual e o Municipal têm empreendido medidas legais para a regulamentação do novo “normal”. 

Com isso se pretende dizer que Decretos de âmbito estadual e municipal têm sido liberados pelos governantes com uma velocidade que a sociedade, e em especial o cenário empresarial, não têm estrutura para suportar. Tal velocidade decorre das instabilidades causadas pelo número de contaminados em atenção à capacidade do sistema de saúde de Porto Alegre. 

Ocorre que a instabilidade que gera a edição de novos decretos nem sempre reflete a necessária eficiência inerente aos provimentos legais, o que vem colapsando o comércio e a vida de muitas empresas. Esse ensaio não pretende rechaçar a importância da atuação governamental, mas sim ponderar que a cautela precisa integrar o plano de contingência de forma a garantir que, após o controle da pandemia, não sejamos terra arrasada em nossa economia.

Em termos práticos, desde 16 de março de 2020 a prefeitura de Porto Alegre editou 15 [1] Decretos Municipais, o que sobremaneira sujeita o cenário empresarial à instabilidade do texto legal, causando assim verdadeira insegurança jurídica, pois a motivação para restrição de atividades econômicas ora é pautada pela proliferação do vírus, ora por suposto risco à atividade pública. Essa situação vem sendo analisada pelo poder Judiciário [2] que, em muitas vezes, derroga o teor do Decreto em prol da realidade social.

A insegurança jurídica não pode fazer parte do rol de medidas legais do governo, pois num dia o Decreto libera as atividades econômicas e no outro, além de as restringir ainda imputa ao empresário penalidade pecuniária em caso de descumprimento, acreditando que tal pena, de cunho simbólico, irá reduzir os índices de contaminação. É ilógico, pois certo é que grandes aglomerações seguem acontecendo pela necessidade da população de trabalhar e deslocar-se por meio do transporte público, por exemplo. 


[1] https://prefeitura.poa.br/coronavirus/decretos

[2] Mandado de Segurança impetrado contra o Município de Porto Alegre: 5013982-88. 2020.8.21.7000: Conforme consta do próprio Auto de Interdição Cautelar (Evento 1 - OUT12), a impetrante exerce atividade econômica de comércio e conserto de bicicletas, ou seja, atividade permitida, nos termos dos incisos XXXIV e XXXVII do art. 11 do Decreto nº 20.534/20. Outrossim, diante da situação excepcional que assola o cenário gaúcho em decorrência da pandemia ocasionada pelo COVID-19, a bicicleta, veículo reconhecido pelo Código de Trânsito Brasileiro, afigura-se como meio de transporte fundamental, sobretudo, em razão do aumento de serviço de entrega de mercadorias, como alimentos e medicamentos, de caráter essencial ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade. Além disso, não há falar em risco ao interesse público, uma vez que a impetrante se compromete a cumprir com todas as cautelas recomendáveis para a preservação da saúde de seus colaboradores e clientes, assumindo o compromisso de prevenir o alastramento do contágio do coronavírus. Nesses termos, presentes os requisitos dos artigos 995 e 1.019, inciso I, do Código de Processo Civil, defiro o pedido de efeito suspensivo, para tornar sem efeito o Auto de Infração nº 496915, observadas todas as medidas de cautela previstas no art. 4º do Decreto Estadual nº 55. 154/20202 e no art. 22 do Decreto Municipal nº 20.534/20.

Fonte: Karen Lucia Bressane Rubim, advogada da Cesar Peres Dulac Müller.

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram