Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 24 de janeiro de 2020
Postado por: Equipe CPDMA

Coca-Cola vai ao Judiciário contra a Heineken por ‘fraude societária’

Empresa requer anulação da compra da Brasil Kirin pelo grupo holandês.

A Coca-Cola Brasil e as suas associações nacionais de fabricantes protocolaram um pedido ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP) para anular a compra da Brasil Kirin pela Heineken e condenar o grupo holandês, junto com as Cervejarias Kaiser Brasil e a Bavaria S.A, a pagarem indenização por “manobras societárias” fraudulentas. O caso foi revelado pelo jornal Valor Econômico. Leia a íntegra da inicial.

A alegação da Coca-Cola é de que houve uma suposta quebra do contrato de exclusividade de distribuição de bebidas alcoólicas dos holandeses com as engarrafadoras da Coca-Cola. O acordo, segundo os advogados da Coca-Cola, foi firmado em 1993.

Segundo a petição inicial, assinada pelos escritórios de advocacia Sergio Bermudes e E.Munhoz Advogados, a compra da Brasil Kirin pela Heineken, por meio de sua controlada, a Bavaria, foi um ato “ilícito” que quebrou o contrato de exclusividade anteriormente firmado e trouxe prejuízos financeiros à Coca-Cola.

“Esta ação representa mais um capítulo da saga do Sistema de Distribuição Coca-Cola para evitar a concretização da manobra oportunista arquitetada pelo Grupo Heineken, na tentativa de se esquivar das claras disposições contratuais livremente pactuadas (e cumpridas) pelas próprias rés durante muitas décadas”, assevera a petição.

O caso também foi discutido em procedimento arbitral no Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem (CBMA), como forma de evitar que o embate fosse feito no Judiciário. Segundo a petição inicial, a sentença arbitral, por unanimidade, condenou a Heineken a cumprir integralmente todos os termos contratuais pactuados entre as partes, inclusive o direito de exclusividade. 

Apesar da decisão, o tribunal arbitral se julgou incompetente para analisar o alcance do direito de exclusividade previsto nos contratos e avaliar se a Heineken e suas controladas agiram de forma ilícita para burlar o direito de exclusividade previsto nos instrumentos contratuais.

Segundo a Coca-Cola, a Bavaria não teria um propósito negocial real, ou seja, serviria somente para facilitar a aquisição da Brasil Kirin. Essa facilitação ocorreria por meio de um processo conhecido como ágio, que consiste na criação de uma holding intermediária, que seria a Bavaria, com o objetivo de somente diminuir a incidência de tributos durante a operação de compra. 

Para os advogados, “o veículo que hoje serve como instrumento para burlar o direito de exclusividade dos autores é a própria Bavaria”. 

Projeto Alaska

Parte do conflito entre as duas marcas de bebida está centrada no chamado “Projeto Alaska”, uma negociação entre a Heineken e fabricantes brasileiros de Coca-Cola para a compra conjunta da Brasil Kirin. 

Entretanto, em 2016, houve, segundo a petição inicial, a “tentativa de golpe empresarial”. Isso porque às vésperas da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) da compra da Brasil Kirin, os advogados afirmam que houve uma mudança radical de postura por parte da empresa holandesa. 

O Grupo Heineken teria rompido com a relação de distribuição dos produtos originalmente mantida com os distribuidores, passando a distribuir todos os seus produtos pela rede da Brasil Kirin.

“Ocorre que, de forma maliciosa, ao mesmo tempo em que buscavam o apoio do Sistema de Distribuição Coca-Cola para a aquisição da Brasil Kirin, as rés passaram a orquestrar, em conjunto, uma manobra societária contra os autores dessa ação”, alegam os advogados na petição inicial. 

Para os advogados, a postura, além de violar os princípios da boa-fé e lealdade contratual, viola, ainda, “os mais enraizados princípios da nossa legislação societária”.

A Cervejaria Kaiser Brasil S.A. afirmou que “não possui condições de comentar os pontos trazidos pela reportagem, uma vez que não recebeu qualquer citação sobre a suposta ação e, portanto, desconhece por completo a existência do caso. De qualquer forma, os argumentos trazidos pela reportagem parecem uma mera repetição das discussões havidas na arbitragem, que não está sujeita a qualquer tipo de recurso.”

O processo tramita sob o número 1004486-07.2020.8.26.0100.

Fonte: Alexandre Leoratti via Jota.

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram