Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 24 de julho de 2019
Postado por: Equipe CPDMA

É fácil cobrar judicialmente de empresa em recuperação judicial?

No atual cenário de crise, nota-se um aumento substancial de empresas que buscam a proteção estabelecida na Lei de Recuperação Judicial (Lei 11.101/2005). Diante desta onda crescente, não são poucos os fornecedores que questionam os riscos de manter o fornecimento para empresas recuperandas. Daí que, inevitavelmente, surge o questionamento se é possível ou não a imediata execução de dívidas no caso de inadimplência.

Inicialmente, é importante esclarecer que, quando o inadimplemento for oriundo de contratação posterior ao ajuizamento do processo de recuperação, o título se enquadra como um crédito extraconcursal, nos termos dispostos no artigo 67 da lei recuperacional. Veja o que articula o dispositivo, na íntegra: “Os créditos decorrentes de obrigações contraídas pelo devedor durante a recuperação judicial, inclusive aqueles relativos a despesas com fornecedores de bens ou serviços e contratos de mútuo, serão considerados extraconcursais, em caso de decretação de falência, respeitada, no que couber, a ordem estabelecida no art. 83 desta Lei”.

Não se opondo a este raciocínio, é interessante observar o que diz, ao pé da letra, a lei recuperacional, no artigo 49: “Estão sujeitos à recuperação judicial todos os créditos existentes na data do pedido, ainda que não vencidos”. Logo, os débitos auferidos pela empresa recuperanda após o processamento da ação de recuperação judicial, de fato, são considerados como extraconcursais.

Assim, constatando-se que o crédito é de natureza extraconcursal, este não sofre os efeitos do período de proteção estabelecido pela recuperação judicial, conhecido como automatic stay. Portanto, o processo de execução ou monitório deve seguir o seu curso habitual. Logo, ao contrário do que se poderia imaginar, há uma ampla perspectiva do recebimento do crédito.

O privilégio entregue aos credores, nas condições reveladas acima, também está disposto no artigo 84, inciso V. A literalidade: ‘‘Serão considerados créditos extraconcursais e serão pagos com precedência sobre os mencionados no art. 83 desta Lei, na ordem a seguir, os relativos a: (...) V – obrigações resultantes de atos jurídicos válidos praticados durante a recuperação judicial, nos termos do art. 67 desta Lei, ou após a decretação da falência, e tributos relativos a fatos geradores ocorridos após a decretação da falência, respeitada a ordem estabelecida no art. 83 desta Lei’’.

Esclarecimento oportuno: créditos quirografários são aqueles que não possuem qualquer preferência sobre os demais (trabalhistas, fiscais e de garantia real) na recuperação judicial ou falência.

Os créditos extraconcursais, como o próprio nome indica, são créditos que não estão sujeitos ao concurso de credores instituído com o processo de recuperação e, portanto, não são pagos pela recuperanda na forma do plano de recuperação. Assim sendo, não há impedimento para que se prossiga com o processo de execução da dívida.

Importante destacar que a recuperação judicial não é um permissivo de inadimplência para dívidas contraídas após o seu deferimento. Em outras palavras: o instituto recuperacional não é um cheque em branco que permite à empresa recuperanda dar calote em todos os seus fornecedores.

A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça já classificou como extraconcursais os créditos de obrigações que se originarem após o deferimento do processamento da recuperação quando do julgamento do Agravo Regimental no Recurso Especial n.º 2014/0292367-5, da relatoria da ministra Maria Isabel Gallotti, julgado na sessão de 4 de agosto de 2016. Deste acórdão, se extrai o seguinte trecho: “De acordo com o art. 49 da Lei nº 11.101/2005, apenas os créditos existentes na data do pedido estão sujeitos à recuperação judicial. Assim, créditos posteriores ao pleito recuperacional não se submetem aos seus efeitos. Precedentes”.

Portanto, tratando-se de título constituído posteriormente à recuperação de crédito, o qual não houve pagamento do débito, é plenamente capaz de ser executado. Isso, sem dúvidas, constrange as empresas em recuperação, evitando que trilhem a senda da inadimplência.

Fonte: Flávia Webster, advogada da Cesar Peres Dulac Müller, é especialista em Direito e Processo Civil e em Recuperação de Crédito.

Voltar

Posts recentes

A Resolução n° 80 da CVM e a dissonância com o sigilo inerente aos procedimentos arbitrais

Em vigor desde 02 de maio de 2022, a Resolução n° 80 da CVM traz um novo comunicado sobre demandas societárias, regulando o registro e a prestação de informações periódicas e eventuais dos emissores de valores mobiliários. Tal regulação foi objeto da Audiência Pública 1/21 e consolidou o conteúdo das Instruções n° 367 e 480 […]

Ler Mais
Extinção de sociedade limitada e a responsabilidade dos sócios

O processo de extinção de uma sociedade limitada passa por três etapas, sendo a primeira delas a Dissolução, seguida da Liquidação e por fim, a Extinção. A fase de Dissolução, podendo ser parcial ou total (para o fim de extinção, ocorre a dissolução total), pode-se dizer que é o momento em que os sócios manifestam […]

Ler Mais
CARF Decide que demora na integralização do AFAC não descaracteriza operação e afasta incidência de IOF

A Terceira Turma da Câmara Superior de Recursos Fiscais (CARF), por voto de qualidade, entendeu que a demora na integralização do capital social nas operações de Adiantamento para Futuro de Aumento de Capital – AFAC não caracteriza a operação como mútuo e, com isso, afasta a incidência de IOF. O AFAC é uma operação que […]

Ler Mais
Philco é processada por suposta imitação de trade dress de batedeiras

A multinacional Whirlpool, dona da KitchenAid e diversas outras marcas famosas no segmento de eletrodomésticos como Brastemp e a Consul, está processando a Philco por concorrência desleal e supostos ilícitos contra propriedade industrial da linha de batedeiras “Artisan” da KitchenAid. A ação tramita na 2ª Vara Empresarial e de Conflitos de Arbitragem de São Paulo, […]

Ler Mais
A distribuição de lucros por empresas em recuperação judicial

Não são raras as vezes que podemos observar empresas cujos sócios possuem um baixo pró-labore e têm a complementação de seus rendimentos por meio de antecipação dos dividendos. A prática, [1] contudo, não se mostrava alinhada com os preceitos da recuperação judicial e o estado de insolvência das devedoras, uma vez que os sócios estariam retirando os […]

Ler Mais
Da possibilidade de penhora de bem de família do fiador

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou Recurso Extraordinário, submetido ao rito de repercussão geral, onde por maioria de votos entendeu por permitir que locadores de imóveis comerciais possam penhorar bem de família do fiador para garantir o recebimento dos aluguéis não pagos pelo locatário. No seu voto, o relator, ministro Alexandre de Moraes, asseverou […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram