Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 29 de outubro de 2020
Postado por: Equipe CPDMA

Novas regras de apuração e recolhimento do ISSQN

Recentemente, a legislação que dispõe acerca do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza, de competência municipal, sofreu alterações significativas quanto à sistemática de apuração e recolhimento. Tais alterações estão gerando muitas dúvidas aos contribuintes, o que inevitavelmente traz abalos à segurança jurídica. É assim que tem sido vista pelos setores afetados a publicação da Lei Complementar nº 175, de 23 de setembro de 2020.

A novidade que se vê já nos primeiros artigos desta lei é a implementação de um sistema eletrônico de padrão unificado de obrigação acessória a ser criado individualmente pelo contribuinte ou em conjunto com outros, de acordo com a regulação determinada pelo Comitê Gestor das Obrigações Acessórias (CGOA). 

Este órgão, aliás, foi criado com o objetivo de unificar as regras de arrecadação obrigatórias para todos os municípios e o Distrito Federal. Seus membros, em um total de dez, serão indicados pela Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) e pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), sendo escolhidos dois representantes de cada região do país. Além disso, o CGOA terá o auxílio de Grupo técnico para desenvolver suas atribuições, o qual será composto por dois membros a serem indicados pelas entidades municipalistas que compõem o Comitê e dois membros indicados pela Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF).

A lei traz a possibilidade de diferimento do tributo em relação às competências de janeiro, fevereiro e março de 2021, que poderão ser recolhidas até o 15º dia do mês de abril de 2021, atualizadas pela taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic), sem a imposição de nenhuma penalidade. Essa previsão, segundo a CNM, estaria relacionada com a confecção e colocação à disposição do sistema unificado aos usuários - contribuintes e Municípios. 

Outra mudança trazida pela LC 175/2020 diz respeito à alteração do local de incidência do tributo, que para alguns serviços passará a ser o do domicílio do tomador (cliente). Este ponto é o que trouxe maiores questionamentos por parte dos contribuintes, diante da indefinição de conceitos essenciais para a efetiva incidência tributária.

Os setores de planos de saúde, de administradoras de cartão de crédito e débito, de fundos, de consórcios e de arrendamento mercantil foram os afetados pela nova sistemática, o que fez retomar a pauta já levada a julgamento no STF na ADI 5.835, em razão da publicação da Lei Complementar nº 157/2016 com esta mesma previsão.

Naquela oportunidade, o Ministro Alexandre de Moraes determinou, em sede liminar, a suspensão desta nova regra de recolhimento do ISSQN, justamente pela ausência de clareza de conceitos, em especial quanto à definição de quem seria o tomador do serviço, situação esta que geraria dificuldade na aplicação da lei e implicaria grave abalo à segurança jurídica no Brasil.

Em relação à lei publicada em setembro, as Confederações Nacionais do Sistema Financeiro (Consif) e das Empresas de Seguros Gerais (CNSeg) já se manifestaram na ação de constitucionalidade mencionada anteriormente, no sentido de esclarecer a persistência das razões que justificaram a concessão da medida liminar em março de 2018, motivo pelo qual requereram a sua manutenção, considerando a ineficácia da legislação quanto aos aspectos citados.

Por outro lado, a CNM afirma ter sido suprida a omissão conceitual de tomador de serviços pela LC 175/2020, ao endereçar a definição de contribuinte em seu art. 14, que alterou as disposições específicas do art. 3º da LC 116/2003.

Como se vê, ainda há muitas incertezas sobre a eficácia da nova lei, o que, sem dúvidas, gera um abalo a todos os contribuintes que se vêem atingidos pela alteração legislativa. Ademais, aqueles setores que até o momento não foram afetados, observam a questão, temerários de que as novas alterações na legislação do ISSQN possam vir a afetá-los de igual maneira. 

Cientes dessa preocupação das empresas, a equipe tributária da Cesar Peres Advocacia Empresarial vem acompanhando de perto estas novidades e coloca-se à disposição para auxiliar no que for necessário, buscando aliar o sucesso de seu negócio com a conformidade à legislação tributária.

Fonte: Claudia Gardin Martins, advogada da Cesar Peres Dulac Müller.

Voltar

Posts recentes

A Resolução n° 80 da CVM e a dissonância com o sigilo inerente aos procedimentos arbitrais

Em vigor desde 02 de maio de 2022, a Resolução n° 80 da CVM traz um novo comunicado sobre demandas societárias, regulando o registro e a prestação de informações periódicas e eventuais dos emissores de valores mobiliários. Tal regulação foi objeto da Audiência Pública 1/21 e consolidou o conteúdo das Instruções n° 367 e 480 […]

Ler Mais
Extinção de sociedade limitada e a responsabilidade dos sócios

O processo de extinção de uma sociedade limitada passa por três etapas, sendo a primeira delas a Dissolução, seguida da Liquidação e por fim, a Extinção. A fase de Dissolução, podendo ser parcial ou total (para o fim de extinção, ocorre a dissolução total), pode-se dizer que é o momento em que os sócios manifestam […]

Ler Mais
CARF Decide que demora na integralização do AFAC não descaracteriza operação e afasta incidência de IOF

A Terceira Turma da Câmara Superior de Recursos Fiscais (CARF), por voto de qualidade, entendeu que a demora na integralização do capital social nas operações de Adiantamento para Futuro de Aumento de Capital – AFAC não caracteriza a operação como mútuo e, com isso, afasta a incidência de IOF. O AFAC é uma operação que […]

Ler Mais
Philco é processada por suposta imitação de trade dress de batedeiras

A multinacional Whirlpool, dona da KitchenAid e diversas outras marcas famosas no segmento de eletrodomésticos como Brastemp e a Consul, está processando a Philco por concorrência desleal e supostos ilícitos contra propriedade industrial da linha de batedeiras “Artisan” da KitchenAid. A ação tramita na 2ª Vara Empresarial e de Conflitos de Arbitragem de São Paulo, […]

Ler Mais
A distribuição de lucros por empresas em recuperação judicial

Não são raras as vezes que podemos observar empresas cujos sócios possuem um baixo pró-labore e têm a complementação de seus rendimentos por meio de antecipação dos dividendos. A prática, [1] contudo, não se mostrava alinhada com os preceitos da recuperação judicial e o estado de insolvência das devedoras, uma vez que os sócios estariam retirando os […]

Ler Mais
Da possibilidade de penhora de bem de família do fiador

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou Recurso Extraordinário, submetido ao rito de repercussão geral, onde por maioria de votos entendeu por permitir que locadores de imóveis comerciais possam penhorar bem de família do fiador para garantir o recebimento dos aluguéis não pagos pelo locatário. No seu voto, o relator, ministro Alexandre de Moraes, asseverou […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram