Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 9 de outubro de 2020
Postado por: Equipe CPDMA

Perguntas e respostas sobre “marca”

1. Quais são meus direitos e deveres como titular de uma marca?

O registro de marca garante ao titular o direito de uso exclusivo da marca em todo o território nacional, tal como ela foi concedida e para o segmento de atuação escolhido, isso porque, no momento do pedido, a parte interessada deve apresentar a expressão pretendida na forma mista ou nominativa, escolhendo, dentre as 45 classes existentes, aquela que melhor se adequa para o seu produto ou serviço a ser identificado por aquela marca. O titular da marca deve, a cada 10 anos, efetivar o pagamento do decênio, para manter seu registro vigente. 

2. Eu preciso ter uma empresa para registrar uma marca?

Para registrar uma marca, não há necessidade de possuir uma empresa registrada. Qualquer pessoa, física ou jurídica que exerça atividade, direta ou indiretamente relacionada ao produto ou serviço ao qual se pretende proteger, poderá requerer o registro. Deve ser observado, contudo, que para os casos de pessoa física, a comprovação do exercício da atividade relacionada se dá através da comprovação da profissão exercida, por exemplo, com a apresentação de um certificado de conclusão de curso. Para a pessoa jurídica, normalmente o contrato social, no qual conste o objeto social relacionado à atividade é o suficiente.

3. Eu consigo ter acesso às informações sobre a minha marca pela internet?

O pedido de registro de marca leva em média 40 dias para ser publicizado no site do INPI. A partir de então, as informações permanecem disponíveis à qualquer pessoa que possa se interessar, podendo ser acessadas diretamente no site do INPI: www.gov.br/inpi/pt-br.

4. Quanto tempo leva para eu conseguir o registro?

Ao todo, desde o ingresso do processo até o deferimento (em um processo normal sem intercorrências), o INPI tem levado em média 8 à 12 meses para análise de viabilidade do registro da marca.

5. Eu posso perder a minha marca mesmo ela estando registrada?

Sim, se você eventualmente não inicia o uso da marca ou deixar de utilizá-la pelo prazo de 5 anos consecutivos ou ainda passa a utilizá-la de forma diversa daquela como foi concedida, há grande risco da extinção do registro pela caducidade.

6. Eu posso transferir a minha marca para outra pessoa ou empresa?

As marcas podem ser tanto licenciadas por tempo determinado, como transferidas em definitivo à outros titulares à titulo gratuito ou mediante pagamento de royalties para o caso de licenciamento ou valor fixo para o caso de venda, com a transferência definitiva.

7. Quanto tempo dura o registro de marca?

O registro de marca tem validade de 10 anos, prorrogável por iguais e sucessivos períodos, desde que realizada a manutenção do processo com o pagamento das taxas decenais.

Fonte: Vanessa Pereira Oliveira Soares, advogada da Cesar Peres Dulac Müller, é especialista em Direito de Propriedade Intelectual.

Voltar

Posts recentes

Extinção de sociedade limitada e a responsabilidade dos sócios

O processo de extinção de uma sociedade limitada passa por três etapas, sendo a primeira delas a Dissolução, seguida da Liquidação e por fim, a Extinção. A fase de Dissolução, podendo ser parcial ou total (para o fim de extinção, ocorre a dissolução total), pode-se dizer que é o momento em que os sócios manifestam […]

Ler Mais
CARF Decide que demora na integralização do AFAC não descaracteriza operação e afasta incidência de IOF

A Terceira Turma da Câmara Superior de Recursos Fiscais (CARF), por voto de qualidade, entendeu que a demora na integralização do capital social nas operações de Adiantamento para Futuro de Aumento de Capital – AFAC não caracteriza a operação como mútuo e, com isso, afasta a incidência de IOF. O AFAC é uma operação que […]

Ler Mais
Philco é processada por suposta imitação de trade dress de batedeiras

A multinacional Whirlpool, dona da KitchenAid e diversas outras marcas famosas no segmento de eletrodomésticos como Brastemp e a Consul, está processando a Philco por concorrência desleal e supostos ilícitos contra propriedade industrial da linha de batedeiras “Artisan” da KitchenAid. A ação tramita na 2ª Vara Empresarial e de Conflitos de Arbitragem de São Paulo, […]

Ler Mais
A distribuição de lucros por empresas em recuperação judicial

Não são raras as vezes que podemos observar empresas cujos sócios possuem um baixo pró-labore e têm a complementação de seus rendimentos por meio de antecipação dos dividendos. A prática, [1] contudo, não se mostrava alinhada com os preceitos da recuperação judicial e o estado de insolvência das devedoras, uma vez que os sócios estariam retirando os […]

Ler Mais
Da possibilidade de penhora de bem de família do fiador

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou Recurso Extraordinário, submetido ao rito de repercussão geral, onde por maioria de votos entendeu por permitir que locadores de imóveis comerciais possam penhorar bem de família do fiador para garantir o recebimento dos aluguéis não pagos pelo locatário. No seu voto, o relator, ministro Alexandre de Moraes, asseverou […]

Ler Mais
Paródias musicais não precisam mencionar o autor da obra original, decide STJ

Há alguns dias o STJ divulgou o resultado de um julgamento promovido pela Corte, o qual se discutiu sobre a necessidade de menção do autor da obra original quando da confecção e divulgação de paródia, à luz dos direitos autorais.  O Superior Tribunal de Justiça deu provimento ao Recurso Especial interposto pela Rádio e Televisão […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram