Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 14 de abril de 2022
Postado por: Equipe CPDMA

Resolução nº 85, de 31 de março de 2022 – CVM, nova regulamentação sobre as Ofertas Públicas de Aquisição (OPA)

Tela de bolsa de valores ilustrando a matéria sobre a CVM.

A Comissão Mobiliária de Valores (CVM) publicou no dia 31 de março de 2022 a Resolução nº 85, na qual é estabelecido o regramento para as Ofertas Públicas de Aquisição para Companhias de capital aberto.

A Oferta Pública de Aquisição, conhecidas também como “OPA”, trata-se da publicização de uma oferta de aquisição de ações de Companhia Aberta por um proponente, detalhando-se a quantidade de ações, preço, prazo e forma de aquisição.

A proposta da existência da OPA é que todos os acionistas de uma determinada Companhia possuam igualdade de direitos no interesse em alienar suas ações ou adquirir determinada quantidade delas, uma vez que a Oferta Pública de Aquisição não discrimina quais os titulares da classe de ações da Companhia o proponente pretende incorporar ou que a Companhia pretende alienar.

Existem OPAs que são obrigatórias por lei, além daquelas que são voluntárias.

As OPAs legalmente obrigatórias são aquelas previstas na Lei 6.404/76 – Lei das Sociedades Anônimas – que tem em rol, por exemplo, a aquisição ou oferta do controle societário da Companhia, cancelamento de registro de Companhia de Capital Aberto e aumento da participação do acionista controlador.

Para fins de regularizar o procedimento de publicação da oferta, aquisição e liquidação das ações nos negócios envolvendo OPA, a CVM publicou a Instrução nº 361, em 05 de março de 2002, que perdurou sua vigência até a atualização legislativa de que se trata este artigo.

Portanto, para cumprir sua finalidade instrutória e regulatória, a Resolução nº 85 da CVM inicia seu texto indicando que a sua proposta é regular “o procedimento aplicável a quaisquer ofertas públicas de aquisição de ações de Companhias Abertas; e o processo de registro das ofertas públicas”, seguindo-se dos exemplos de OPA obrigatórias por lei mencionados anteriormente.

A Resolução expressa, também, os princípios que norteiam a OPA, como a não discriminação dos proprietários das ações da espécie e classe objetos da oferta, a publicidade da oferta a todos os acionistas e terceiros interessados, a uniformidade de preços compatível com o mercado, a imutabilidade e irrevogabilidade, salvo autorização legal, dentre outros.

A publicidade da OPA deve ocorrer no prazo limite de 10 (dez) dias a contar do aceite da CVM sobre o registro, devendo-se o leilão das ações ocorrer no prazo mínimo de 30 (trinta) e máximo de 45 (quarenta e cinco) dias após a publicação.

O pagamento da OPA pelo adquirente pode ser feito através de moeda corrente nacional, permuta, quando é feito através de valores mobiliários ou mista, quando parte do pagamento é feito em moeda corrente e parte em permuta.

Quando publicada a OPA, os acionistas minoritários proprietários de pelo menos 10% das ações da Companhia, individualmente ou em conjunto, podem solicitar uma Assembleia Geral com os demais acionistas minoritários, na hipótese de não concordarem com o preço da OPA, deliberando-se, em Assembleia, a proposta de nova avaliação sobre esta.

A Resolução demonstra, também, a competência da CVM para avaliar a regularidade da proposta com o mercado, o cumprimento das formalidades por parte do ofertante, assim como o poder de revogar uma OPA, em caso de observar alguma inconsistência desta com o regramento legal que lhe foi estabelecido.

Portanto, tem-se que a Resolução da CVM propõe uma maior proteção ao mercado de ações e seus acionistas minoritários, concedendo-lhes iguais condições de aquisição, alienação e fiscalização que envolvam Ofertas Públicas de Aquisição, assim como possui o poder de fiscalizar e executar práticas que deliberem em contrário aos princípios da OPA a qualquer momento em que a negociação esteja tramitando.

Por: Mateus Pires Mallmann - Societário

Voltar

Posts recentes

Nome Empresarial: conheça essa classe de ativos

Continuando com nossa série de posts que explicam as diferenças entre as classes de ativos intelectuais, hoje trataremos do NOME EMPRESARIAL. Embora por vezes a marca – cuja natureza já foi descrita no post anterior – possa ser confundida com o nome empresarial, trata-se de institutos jurídicos distintos. O nome empresarial identifica a empresa por […]

Ler Mais
PERSE: alterações legislativas no programa emergencial de retomada do setor de eventos

Lei nº 14.859/2024: alteração das regras do Perse para o período de 2024 a 2026. O Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos - Perse foi criado em 2021 com vistas a socorrer as empresas ligadas ao setor de eventos - atividade mais afetada com a pandemia da COVID-19, a partir da redução a […]

Ler Mais
A extensão da cobertura securitária nas enchentes

As chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul nas últimas semanas destruíram fazendas, imóveis e veículos. Mesmo com seguro, os proprietários de carros ou imóveis devem verificar a abrangência da cobertura nas apólices para identificar se conseguirão indenização. Os seguros básicos para carros e imóveis não costumam cobrir enchentes. As contratações contra pane elétrica, […]

Ler Mais
O acordo para venda do medicamento para emagrecer mais famoso do momento

Recentemente foi noticiado que a empresa brasileira BIOMM celebrou acordo com a indústria farmacêutica BIOCON para distribuição no Brasil de um medicamento similar ao Ozempic, indicado para tratamento da diabetes, mas utilizado principalmente para tratar a obesidade. Contudo, isso só será possível porque a detentora da patente do remédio, por certo autorizou, mediante contrato de […]

Ler Mais
Conheça a classe de ativos “marca”

Seguindo com a nossa série de posts que explica as diferenças entre as classes de ativos intelectuais, hoje trataremos da MARCA. A marca é um sinal utilizado para distinguir e identificar um produto ou serviço. Seu registro é realizado junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial, INPI, garantindo ao titular a exclusividade de uso em […]

Ler Mais
A Propriedade Intelectual confere ao autor, inventor ou titular do conhecimento, poder para resguardar seus direitos

A propriedade intelectual confere ao autor, inventor e/ou titular do conhecimento protegido o poder de resguardar seus direitos, podendo, por exemplo, proibir terceiros de produzir, utilizar, vender ou importar sua invenção, bem como impedir a reprodução ou imitação de sua marca, além de garantir exclusividade ao titular da criação [1] (ARAÚJO; BARBOSA; QUEIROGA; ALVES, 2010). […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram