Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 14 de abril de 2022
Postado por: Equipe CPDMA

Resolução nº 85, de 31 de março de 2022 – CVM, nova regulamentação sobre as Ofertas Públicas de Aquisição (OPA)

Tela de bolsa de valores ilustrando a matéria sobre a CVM.

A Comissão Mobiliária de Valores (CVM) publicou no dia 31 de março de 2022 a Resolução nº 85, na qual é estabelecido o regramento para as Ofertas Públicas de Aquisição para Companhias de capital aberto.

A Oferta Pública de Aquisição, conhecidas também como “OPA”, trata-se da publicização de uma oferta de aquisição de ações de Companhia Aberta por um proponente, detalhando-se a quantidade de ações, preço, prazo e forma de aquisição.

A proposta da existência da OPA é que todos os acionistas de uma determinada Companhia possuam igualdade de direitos no interesse em alienar suas ações ou adquirir determinada quantidade delas, uma vez que a Oferta Pública de Aquisição não discrimina quais os titulares da classe de ações da Companhia o proponente pretende incorporar ou que a Companhia pretende alienar.

Existem OPAs que são obrigatórias por lei, além daquelas que são voluntárias.

As OPAs legalmente obrigatórias são aquelas previstas na Lei 6.404/76 – Lei das Sociedades Anônimas – que tem em rol, por exemplo, a aquisição ou oferta do controle societário da Companhia, cancelamento de registro de Companhia de Capital Aberto e aumento da participação do acionista controlador.

Para fins de regularizar o procedimento de publicação da oferta, aquisição e liquidação das ações nos negócios envolvendo OPA, a CVM publicou a Instrução nº 361, em 05 de março de 2002, que perdurou sua vigência até a atualização legislativa de que se trata este artigo.

Portanto, para cumprir sua finalidade instrutória e regulatória, a Resolução nº 85 da CVM inicia seu texto indicando que a sua proposta é regular “o procedimento aplicável a quaisquer ofertas públicas de aquisição de ações de Companhias Abertas; e o processo de registro das ofertas públicas”, seguindo-se dos exemplos de OPA obrigatórias por lei mencionados anteriormente.

A Resolução expressa, também, os princípios que norteiam a OPA, como a não discriminação dos proprietários das ações da espécie e classe objetos da oferta, a publicidade da oferta a todos os acionistas e terceiros interessados, a uniformidade de preços compatível com o mercado, a imutabilidade e irrevogabilidade, salvo autorização legal, dentre outros.

A publicidade da OPA deve ocorrer no prazo limite de 10 (dez) dias a contar do aceite da CVM sobre o registro, devendo-se o leilão das ações ocorrer no prazo mínimo de 30 (trinta) e máximo de 45 (quarenta e cinco) dias após a publicação.

O pagamento da OPA pelo adquirente pode ser feito através de moeda corrente nacional, permuta, quando é feito através de valores mobiliários ou mista, quando parte do pagamento é feito em moeda corrente e parte em permuta.

Quando publicada a OPA, os acionistas minoritários proprietários de pelo menos 10% das ações da Companhia, individualmente ou em conjunto, podem solicitar uma Assembleia Geral com os demais acionistas minoritários, na hipótese de não concordarem com o preço da OPA, deliberando-se, em Assembleia, a proposta de nova avaliação sobre esta.

A Resolução demonstra, também, a competência da CVM para avaliar a regularidade da proposta com o mercado, o cumprimento das formalidades por parte do ofertante, assim como o poder de revogar uma OPA, em caso de observar alguma inconsistência desta com o regramento legal que lhe foi estabelecido.

Portanto, tem-se que a Resolução da CVM propõe uma maior proteção ao mercado de ações e seus acionistas minoritários, concedendo-lhes iguais condições de aquisição, alienação e fiscalização que envolvam Ofertas Públicas de Aquisição, assim como possui o poder de fiscalizar e executar práticas que deliberem em contrário aos princípios da OPA a qualquer momento em que a negociação esteja tramitando.

Por: Mateus Pires Mallmann - Societário

Voltar

Posts recentes

A Resolução n° 80 da CVM e a dissonância com o sigilo inerente aos procedimentos arbitrais

Em vigor desde 02 de maio de 2022, a Resolução n° 80 da CVM traz um novo comunicado sobre demandas societárias, regulando o registro e a prestação de informações periódicas e eventuais dos emissores de valores mobiliários. Tal regulação foi objeto da Audiência Pública 1/21 e consolidou o conteúdo das Instruções n° 367 e 480 […]

Ler Mais
Extinção de sociedade limitada e a responsabilidade dos sócios

O processo de extinção de uma sociedade limitada passa por três etapas, sendo a primeira delas a Dissolução, seguida da Liquidação e por fim, a Extinção. A fase de Dissolução, podendo ser parcial ou total (para o fim de extinção, ocorre a dissolução total), pode-se dizer que é o momento em que os sócios manifestam […]

Ler Mais
CARF Decide que demora na integralização do AFAC não descaracteriza operação e afasta incidência de IOF

A Terceira Turma da Câmara Superior de Recursos Fiscais (CARF), por voto de qualidade, entendeu que a demora na integralização do capital social nas operações de Adiantamento para Futuro de Aumento de Capital – AFAC não caracteriza a operação como mútuo e, com isso, afasta a incidência de IOF. O AFAC é uma operação que […]

Ler Mais
Philco é processada por suposta imitação de trade dress de batedeiras

A multinacional Whirlpool, dona da KitchenAid e diversas outras marcas famosas no segmento de eletrodomésticos como Brastemp e a Consul, está processando a Philco por concorrência desleal e supostos ilícitos contra propriedade industrial da linha de batedeiras “Artisan” da KitchenAid. A ação tramita na 2ª Vara Empresarial e de Conflitos de Arbitragem de São Paulo, […]

Ler Mais
A distribuição de lucros por empresas em recuperação judicial

Não são raras as vezes que podemos observar empresas cujos sócios possuem um baixo pró-labore e têm a complementação de seus rendimentos por meio de antecipação dos dividendos. A prática, [1] contudo, não se mostrava alinhada com os preceitos da recuperação judicial e o estado de insolvência das devedoras, uma vez que os sócios estariam retirando os […]

Ler Mais
Da possibilidade de penhora de bem de família do fiador

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou Recurso Extraordinário, submetido ao rito de repercussão geral, onde por maioria de votos entendeu por permitir que locadores de imóveis comerciais possam penhorar bem de família do fiador para garantir o recebimento dos aluguéis não pagos pelo locatário. No seu voto, o relator, ministro Alexandre de Moraes, asseverou […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram