Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 11 de março de 2021
Postado por: Equipe CPDMA

A prorrogação do "stay period" na recuperação judicial após a Lei 14.112/20

A Lei 14.122 de 24 de dezembro de 2020 produziu uma série de alterações à Lei 11.101/05, dentre as quais a hipótese de prorrogação do chamado “stay period” (prazo de suspensão das demandas contra a devedora em recuperação judicial).

A regra consta do art. 6º, §4º e diz o seguinte: "§ 4º Na recuperação judicial, as suspensões e a proibição de que tratam os incisos I, II e III do caput deste artigo perdurarão pelo prazo de 180 (cento e oitenta) dias, contado do deferimento do processamento da recuperação, prorrogável por igual período, uma única vez, em caráter excepcional, desde que o devedor não haja concorrido com a superação do lapso temporal”. 

Ou seja, pelo novo texto, o prazo de suspensão somente poderá ser prorrogado uma única vez e desde que a recuperanda não tenha concorrido para a “superação do lapso temporal” (supõe-se tenha o legislador querido dizer “sem que a recuperanda tenha contribuído para a não deliberação sobre o plano de recuperação dentro do prazo de 180 dias").

A mudança em questão está em que, até então, a regra do art. 6º, §4º tratava tal prazo como improrrogável, independentemente de eventual motivo que justificasse o retardamento das deliberações sobre o plano.

Tal vedação (à prorrogação), como era mesmo de se esperar, foi desde sempre afastada pela jurisprudência, que identificou que o prazo de 180 dias tinha fundamento na concatenação dos atos processuais e prazos legais que culminariam com a deliberação sobre o plano de recuperação, após o que tal stay period perdia a razão de ser - se aprovado o plano, as obrigações por ele abrangidas se têm por novadas e passam a ser cumpridas nos termos em que previstas no plano; se, de outro lado, rejeitado o plano, convola-se a recuperação judicial em falência, e aí a suspensão se dá em função disto e para os fins do concurso universal.

Ou seja, em tese, a prorrogação do stay period não deveria nem sequer ser necessária.

Mas a prática desde logo mostrou - e os tribunais desde sempre compreenderam isto - que, o mais das vezes, o processo não se encontra maduro para a deliberação sobre o plano de recuperação judicial em 180 dias, sem que para tanto haja "concorrência do devedor”. As razões são as mais variadas, e vão desde a simples dificuldade de tramitação cartorária (são ainda poucas as varas especializadas) indo a entraves criados por credores ou eventualmente pela própria devedora; dada a natural complexidade do processo de recuperação, nada disso é de se estranhar nem deve ser visto como exceção.

Eventualidades como estas comumente se põem completamente fora do controle da recuperanda, do juízo ou da administração judicial; e ocorrerão, quer o legislador queira, quer não.

O que se quer dizer aqui é que tornar prorrogável o prazo que era improrrogável, mas estabelecendo que esta prorrogação se dê apenas por um único período predeterminado, nada mais é do que tornar mais longo o prazo que, ao fim e ao cabo, continua sendo improrrogável - e que, na prática, sempre foi prorrogado (mesmo quando “improrrogável").

O tempo do stay period deve ser tão extenso quanto necessário para a deliberação sobre o plano, evitando o asset grabbing que, de um lado, inviabiliza a atividade da devedora e o cumprimento do plano e recuperação e, de outro, esvazia os ativos que serviriam para a satisfação da comunhão de credores no processo de falência .

A preocupação com a duração razoável do processo é de se elogiar, mas como a experiência tem insistentemente demonstrado, não é a fixação de prazos que faz com que o processo tenha a tramitação que se idealizou. Para isto o necessário é dotar o processo de estrutura e ferramentas que permitam imprimir a tramitação adequada; é entregar aos cartórios e juízos a estrutura de trabalho suficiente ao volume de demandas; é prevenir a chicana processual e racionalizar os procedimentos.

Sem isso, tentar interpretar que o prazo que era improrrogável - mas que era prorrogado - deixou de sê-lo (prorrogável) porque se o fez mais longo, é defender que o prazo, seja ele qual for, é suficiente. Sabe-se que não é - ao menos não sempre, e não necessariamente. Até que seja, o sempre tão falado stay period deverá ser prorrogado por tanto tempo quanto seja necessário para que se delibere sobre o plano de recuperação, desde que, evidentemente, a recuperanda não tenha contribuído para o retardamento da tramitação do processo (como sempre foi entendido pela jurisprudência).

Fonte: Daniel Burchardt Piccoli, advogado e sócio da Cesar Peres Dulac Müller.

Voltar

Posts recentes

Extinção de sociedade limitada e a responsabilidade dos sócios

O processo de extinção de uma sociedade limitada passa por três etapas, sendo a primeira delas a Dissolução, seguida da Liquidação e por fim, a Extinção. A fase de Dissolução, podendo ser parcial ou total (para o fim de extinção, ocorre a dissolução total), pode-se dizer que é o momento em que os sócios manifestam […]

Ler Mais
CARF Decide que demora na integralização do AFAC não descaracteriza operação e afasta incidência de IOF

A Terceira Turma da Câmara Superior de Recursos Fiscais (CARF), por voto de qualidade, entendeu que a demora na integralização do capital social nas operações de Adiantamento para Futuro de Aumento de Capital – AFAC não caracteriza a operação como mútuo e, com isso, afasta a incidência de IOF. O AFAC é uma operação que […]

Ler Mais
Philco é processada por suposta imitação de trade dress de batedeiras

A multinacional Whirlpool, dona da KitchenAid e diversas outras marcas famosas no segmento de eletrodomésticos como Brastemp e a Consul, está processando a Philco por concorrência desleal e supostos ilícitos contra propriedade industrial da linha de batedeiras “Artisan” da KitchenAid. A ação tramita na 2ª Vara Empresarial e de Conflitos de Arbitragem de São Paulo, […]

Ler Mais
A distribuição de lucros por empresas em recuperação judicial

Não são raras as vezes que podemos observar empresas cujos sócios possuem um baixo pró-labore e têm a complementação de seus rendimentos por meio de antecipação dos dividendos. A prática, [1] contudo, não se mostrava alinhada com os preceitos da recuperação judicial e o estado de insolvência das devedoras, uma vez que os sócios estariam retirando os […]

Ler Mais
Da possibilidade de penhora de bem de família do fiador

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou Recurso Extraordinário, submetido ao rito de repercussão geral, onde por maioria de votos entendeu por permitir que locadores de imóveis comerciais possam penhorar bem de família do fiador para garantir o recebimento dos aluguéis não pagos pelo locatário. No seu voto, o relator, ministro Alexandre de Moraes, asseverou […]

Ler Mais
Paródias musicais não precisam mencionar o autor da obra original, decide STJ

Há alguns dias o STJ divulgou o resultado de um julgamento promovido pela Corte, o qual se discutiu sobre a necessidade de menção do autor da obra original quando da confecção e divulgação de paródia, à luz dos direitos autorais.  O Superior Tribunal de Justiça deu provimento ao Recurso Especial interposto pela Rádio e Televisão […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram