Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 26 de setembro de 2023
Postado por: Equipe CPDMA

Ações afirmativas do Estado contra a discriminação da mulher no ambiente do trabalho: igualdade salarial e CIPA+A

Imagem de Grasiele Cheruti, autora do artigo que fala sobre igualdade salarial.

Lei 14.611/2023, que garante a igualdade salarial e de critérios de remuneração entre trabalhadoras e trabalhadores, sancionada como política afirmativa do direito à igualdade substancial, acalorou as discussões já existentes quanto ao mercado de trabalho, empregabilidade, manutenção do empregado, medidas de proteção e, especialmente, sobre a equiparação salarial entre homens e mulheres. 

Não obstante a existência de previsão constitucional no sentido de que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, a participação do Brasil em Convenções Internacionais quanto a discriminação contra a mulher e a regra contida no art. 461 da CLTa concretização dos preceitos normativos ainda é falha.

Com efeito, a diferenciação salarial em razão do sexo ainda subsiste na prática.

Nesta senda, foi recentemente publicada a Lei 14.611/23 que, além de estabelecer políticas de igualdade salarial, prevê, em suma, medidas de fiscalização pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) a fim de coibir práticas discriminatórias.

As medidas fiscalizatórias do MTE podem resultar, nos casos de inobservância da Lei 14.611/23, em aplicação de multa administrativa equivalente a dez vezes o valor do salário (considerado aquele que deveria ser recebido pela empregada discriminada) e, em caso de reincidência, a multa passa a ser o dobro. Ademais, a imposição e o pagamento da multa administrativa não eximem a possibilidade de eventual condenação, na esfera judicial, de indenização por danos morais, uma vez que os institutos têm natureza e finalidade distintas.

No âmbito administrativo (MTE), para fins fiscalizatórios, todas empresas que possuírem cem ou mais empregados, estão obrigadas a manter relatórios semestrais de transparência salarial e remuneratória. E, no caso de omissão em disponibilizar os referidos documentos, caberá multa de até 3% incidente sobre a folha de salários, limitada a cem salários mínimos (hoje, R$ 132 mil reais).

Cumpre destacar que, de acordo com texto aprovado, caso verificada alguma desigualdade na apresentação dos relatórios semestrais, as empresas devem apresentar e implementar plano de ação estipulando metas e prazos a fim de reduzir as diferenças existentes.  Ou seja, a implementação de um plano de ação, como uma política de cargos e salários, é alternativa preventiva a ser considerada pelo empregador como forma de elidir punições administrativas.

Cabe destacar que tanto a lei em comento, como os Tribunais do Trabalho, vem instituindo protocolos para julgamento com perspectiva de gênero, a fim de avançarem na efetivação da igualdade e nas políticas de equidade.

A Lei 14.611/23, neste diapasão, para parte da doutrina e da sociedade, traz consigo um grande avanço na discussão sobre a discriminação da mulher; ao passo que, para outros, a perspectiva é exatamente oposta. Ao invés de apaziguar a situação, os empregadores poderão tomar medidas, muitas vezes drásticas, para a adequação à lei.

Outra ação afirmativa do Estado quanto à vedação a discriminação, foi a instituição do programa EMPREGA + MULHERES (Lei 14.457/22), que visa a inserção e manutenção do emprego da mulher no mercado de trabalho, através de diversas flexibilizações, como de horários, férias, apoio à parentalidade, dentre outros benefícios e auxílios.  A Lei 14.457/22, chama atenção, ainda, para medidas de prevenção e combate ao assédio, promovendo alterações nas atribuições da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA).  Com a incumbência de prevenir o assédio sexual, até mesmo com a criação de canais de denúncia, a atual nomenclatura da referida comissão passou a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes e Assédio (CIPA+A).

Por fim, pela análise do arcabouço jurídico vigente, é possível constatar, em breve análise, ainda existe desigualdade no tratamento entre homens e mulheres. Contudo, a “equacionalização” das desigualdades não pode servir como um obstáculo para a empregabilidade e a manutenção das mulheres nos postos de trabalho, cabendo aos empregadores acompanhar a evolução dos preceitos legais como forma de ação preventiva e assertiva na persecução de seu objeto social.

Por: Grasiele Storck Cheruti

Direito Trabalhista | Equipe CPDMA

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram