Logotipo de César Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoría:
Fecha: 20 de agosto de 2019
Publicado por: Equipo de CPDMA

Las empresas aún no se han adaptado a la Ley de Datos

A um ano da entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (no 13.709, de 2018), boa parte das empresas ainda não se adaptou ao texto. Em levantamento com cerca de 250 companhias de médio e grande porte, o escritório Viseu Advogados identificou que 46% delas ainda nem iniciaram o processo e, em muitos casos, não há sequer previsão. 

Advogados da área afirmam que o processo de adequação é demorado. A lei traz regras sobre compartilhamento de dados de consumidores e impede que sejam divulgados sem autorização, com previsão de pesadas penalidades - desde advertência até multa de 2% sobre o faturamento da empresa, com teto de R$ 50 milhões por infração.

Coordenador da pesquisa, o advogado Gustavo Artese, sócio do Viseu Advogados, destaca que a lei tem prazo de dois anos para entrar em vigor. Geralmente, o prazo é de um ano. "É para as empresas se prepararem porque é uma mudança muito significativa no dia a dia delas", diz.

Pela pesquisa, em 27% das empresas, os departamentos jurídicos vão liderar o processo de adaptação. Em 19% será o setor de TI e em 17% o de compliance. Primeiro, de acordo com especialistas, a empresa precisa de uma "fotografia" da gestão de dados atual para depois implementar controles e ajustar o que não estiver de acordo com a lei. Será mais fácil para as que lidam com menos dados - só com os dos próprios funcionários, por exemplo. Mas é mais exigente para as que também têm clientes e parceiros de negócios ou dados sensíveis, como hospitais.

"Se deixar para a última hora, vai [a empresa] ter problema", afirma a advogada Rubia Ferrão, do escritório Pigão, Ferrão e Fioravante Advogados Associados. O processo, acrescenta a advogada, envolve a procura por profissionais para auxiliar na adaptação à nova lei, que ainda é pequena, além da adequação de sistemas.

Para Rubia, o problema mais grave está ligado ao vazamento de informações, que pode gerar um dano irreparável ao consumidor. "O titular corre o risco de sofrer fraude", diz. O desvio de finalidade no uso dos dados também foi destacado pela advogada.

Hoje, a forma como é feita a coleta de dados não envolve o consentimento do usuário, segundo Guilherme Farid, chefe de gabinete do Procon-SP. Com a lei, a autorização deverá ser dada por escrito e, se for considerada abusiva ou enganosa, poderá ser considerada nula. A norma, afirma ele, soma-se ao Código de Defesa do Consumidor, "não compete com ele".

Os atuais termos de uso, que os titulares de dados costumam não ler, poderão ser considerados inadequados. A lei exige que o consentimento seja livre, informado e inequívoco. Além disso, há previsão de que os consumidores poderão solicitar quais dados poderão ser compartilhados. "Não adianta achar que vai pegar 20% do tempo de um advogado de consumidor e contratos e falar para ele alterar alguma coisa e ver se a empresa se adapta", afirma Alexandre Pacheco, professor e coordenador do Centro de Ensino e Pesquisa em Inovação da FGV Direito SP.

Com a lei, destaca, as empresas passam a ser fiéis depositárias de dados pessoais. "Não adianta pensar que os dados dos clientes são patrimônio da empresa", diz Pacheco. Por isso, as companhias precisam realizar um programa de tratamento de dados e não uma ação pontual, procedimento parecido com o que foi adotado após a entrada em vigor da Lei Anticorrupção (no 12.846, de 2013).

Ainda está pendente a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados, que irá lidar com a proteção de dados pessoais e segredos comerciais e industriais. O que não impede, segundo o professor, que as empresas já se preparem.

Fuente: Beatriz Olivon vía Valor Econômico.

Volver

Mensajes recientes

Conozca la clase de activos "marca"

Continuando con nuestra serie de entradas en las que explicamos las diferencias entre las clases de activos intelectuales, hoy vamos a analizar la MARCA. Una marca es un signo utilizado para distinguir e identificar un producto o servicio. Se registra en el Instituto Nacional de la Propiedad Industrial (INPI), garantizando a su titular el uso exclusivo en [...]

Leer más
La propiedad intelectual otorga al autor, inventor o poseedor del conocimiento el poder de proteger sus derechos.

La propiedad intelectual otorga al autor, inventor y/o titular del conocimiento protegido la facultad de proteger sus derechos, pudiendo, por ejemplo, prohibir a terceros la producción, utilización, venta o importación de su invención, así como impedir la reproducción o imitación de su marca, además de garantizar la exclusividad al titular de la creación[1] (ARAÚJO; BARBOSA; QUEIROGA; ALVES, 2010). [...]

Leer más
En la mejor tradición de hospitalidad de CPDMA, nuestra nueva oficina en São Paulo está lista para su visita.

El apoyo jurídico empresarial que su negocio está buscando, con el servicio distintivo de CPDMA que usted merece. Estratégicamente situada en el corazón de Itaim Bibi, uno de los centros financieros más vibrantes de São Paulo, la sucursal de CPDMA se encuentra en Rua Bandeira Paulista, 716, Suite 31/32. Para más información o para reservar una visita, póngase en contacto con [...]

Leer más
El riesgo de no estar al tanto de los cambios de una marca

A marca de azeites portugueses GALLO aproveitou a proximidade da Páscoa e anunciou uma modificação na forma de apresentação da marca e do rótulo de seus produtos. Segundo o diretor de marketing da empresa, Pedro Gonçalves, a nova identidade visual foi inspirada em uma lenda sobre a origem da marca. Ele relata que em 1919, […]

Leer más
La protección de las marcas de renombre

En las últimas semanas, circuló en sitios jurídicos la noticia de que el Tribunal Federal había cancelado el registro de la marca "CHEVETTE DRINK". El registro, con presentación nominativa, fue considerado anulable por infringir el artículo 124, inciso VI, de la Ley de Propiedad Industrial (LPI), que prohíbe el registro de signos de carácter genérico, de uso común para [...].

Leer más
Domicilio Judicial Electrónico: las empresas deben registrarse antes del 30 de mayo

Las grandes y medianas empresas [1] de todo el país tendrán hasta el 30 de mayo de 2024 para registrarse voluntariamente en el Domicilio Judicial Electrónico, una herramienta del Programa Justicia 4.0 que centraliza la información y las comunicaciones sobre los procedimientos en los tribunales brasileños. Una vez transcurrido este plazo, el registro será obligatorio, a partir [...]

Leer más
cruzarmenúchevron-abajo
es_ESEspañol
Linkedin Facebook interés Youtube jajaja gorjeo Instagram Facebook en blanco rss-en blanco Linkedin en blanco interés Youtube gorjeo Instagram