Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 14 de setembro de 2020
Postado por: Equipe CPDMA

O contribuinte brasileiro nas agitadas águas do STF

O poeta italiano Francesco Petrarca no Século XIV, parafraseando Plutarco, disse que “navegar é preciso, viver não é preciso”. O pensamento representa a coexistência conflituosa entre a precisão do navegar e a imprecisão do viver. Esse conflito permanece atual, mais vivo do que nunca. Com o avanço tecnológico, cada vez mais temos precisão para muitas coisas na vida, e contraditoriamente, temos cada vez mais incertezas e imprecisões no viver.

No Brasil, para os contribuintes e empresários, não poderia ser diferente.

Nos últimos meses, a despeito das regras de distanciamento social e, por consequência, da impossibilidade de realização de sessões de julgamento presenciais, o Supremo Tribunal Federal pautou e julgou diversos temas tributários de grande relevância para as empresas brasileiras.

O STF julgou constitucional a cobrança da contribuição de 10% ao FGTS nas demissões sem justa causa, contribuição que foi cobrada entre 2001 e 2019 e, posteriormente, extinta pelo Congresso Nacional a partir de janeiro de 2020. A Procuradoria da Fazenda Nacional estimava, caso fosse julgada inconstitucional a cobrança, que haveria necessidade de restituir aos contribuintes um montante superior a R$ 40 Bilhões.

Outra disputa antiga resolvida pelo STF recentemente diz respeito à incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) cobrado daquelas empresas que importam mercadorias. O principal argumento em favor dos contribuintes era de que não haveria motivo para cobrança do IPI de forma duplicada: uma vez no desembaraço da mercadoria, outra na revenda do produto no mercado interno. O Supremo Tribunal Federal, contudo, entendeu pela constitucionalidade da cobrança do IPI sobre bens importados, sobretudo tendo em vista a proteção da indústria nacional.

Há pouco mais de uma semana, o STF julgou também a questão envolvendo a incidência da Contribuição Previdenciária Patronal sobre os valores pagos aos empregados a título de “Terço Constitucional de Férias”. Os contribuintes defendiam que os valores pagos relativamente a essa importância consistiam em rubricas indenizatórias, e não valores que compunham a remuneração dos trabalhadores. Como a Contribuição Previdenciária deve incidir apenas sobre os valores remuneratórios, entendiam os contribuintes que a parcela do “Terço Constitucional de Férias” deveria ser apartada da base sob a qual incide o tributo. Em julgamento de plenário virtual, contudo, o STF entendeu em sentido diverso, concluindo que o “Terço Constitucional de Férias” é pago com habitualidade, periodicidade, e como forma de complemento à remuneração do trabalhador, devendo, portanto, ser incluído na base de cálculo da Contribuição Previdenciária Patronal.

Como se percebe, os julgamentos proferidos pelo STF e acima brevemente relatados tiveram desfecho desfavorável aos contribuintes. Embora todas as três discussões estivessem muito bem fundamentadas e com argumentos sólidos em favor das empresas, o STF entendeu por julgar os casos de forma favorável ao Fisco. Justamente quando a sociedade em geral possui grandes dificuldades para acompanhar e participar dos julgamentos da Corte, foram proferidas diversas decisões em matéria tributária, de forma reiteradamente desfavorável aos contribuintes.

É preciso acompanhar com atenção e cautela os desdobramentos recentes em matéria tributária no Supremo Tribunal Federal, sobretudo em razão dos já conhecidos impactos econômicos que esse tipo de julgamento produz no orçamento público. A matéria tributária, como todas as demais, deve ser julgada de forma técnica e sempre que possível afastada de interesses de classe ou dos demais poderes da república.

Nos próximos meses, outros temas relevantes para a tributação das empresas deverão ser julgados, tais como: a discussão sobre a constitucionalidade das contribuições ao Sistema S (SESI, SEBRAE, SENAI, SESC), a possibilidade de tomada de créditos de PIS/COFINS na aquisição de produtos monofásicos, exclusão do ISS da base de cálculo do PIS/COFINS, contribuição do Produtor Rural Pessoa Jurídica ao FUNRURAL, dentre outros. 

Em conclusão, recomenda-se que as empresas sigam discutindo judicialmente todos os tributos que possam estar de alguma maneira maculados por ilegalidades ou inconstitucionalidades, desde que os fundamentos e argumentos que conduzam a tais vícios estejam devidamente apresentados. 

Por mais que a recente onda de julgamentos realizados pelo STF tenha sido em sua maioria desfavorável aos contribuintes, é de suma relevância que as empresas ingressem com Ações discutindo sobretudo aquelas questões que ainda não tenham sido objeto de decisão definitiva no STF, seja para fazer valer seus direitos perante o Fisco, seja para garantirem o maior período possível de recuperação de valores quando a Corte julgar o caso de forma favorável aos contribuintes. Navegar é preciso...

Diante desse contexto, contar com o apoio de profissionais experientes e habituados à realização de discussões tributárias é fundamental para o sucesso de sua empresa na busca pela maior eficiência da apuração tributária, de forma prudente e segura. A equipe especializada em Direito Tributário da César Peres Advocacia Empresarial está à sua disposição para auxiliar nessa e em outras demandas de sua empresa.

Fonte: Wagner Arnold Fensterseifer, advogado da Cesar Peres Dulac Müller, é especialista em Direito Tributário.

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram