Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 20 de outubro de 2020
Postado por: Equipe CPDMA

O novo papel do comerciante na intermediação do conserto de produtos adquiridos pelo consumidor: uma análise do novo entendimento do STJ

Diariamente nos deparamos com novas realidades, sendo inconcebível nos colocarmos a par do incessante fluxo de informações e avanços tecnológicos que a sociedade nos impõe. Assim como o cidadão não consegue acompanhar o ritmo imposto pelo atual modus operandi da sociedade pós-moderna, a lei igualmente não dá conta de regular as novas necessidades que surgem a todo momento.

O ato de criar leis, constitucionalmente atribuído ao Poder Legislativo, é, notoriamente, um procedimento vagaroso que, por sua própria natureza, não consegue acompanhar o acelerado compasso dos avanços da sociedade.

É nesta lacuna temporal que, por diversas vezes, os tribunais de instâncias superiores são provocados a dar novos contornos ou até mesmo novas interpretações à norma, para que o sentido interpretativo atribuído esteja em consonância com a realidade da sociedade atual, não permitindo sua obsolescência. 

Quando tratamos do Código de Defesa do Consumidor (CDC) - promulgado há exatos 30 anos - nota-se dinâmica similar a referida acima, em que o atual contexto social, informacional e tecnológico foi significativamente alterado, ensejando novas interpretações para além da literalidade formal dos dispositivos de lei. Dentro desse contexto de constante necessidade de reinterpretação e atualização das normas que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu modificar seu entendimento com relação a quem pode receber do consumidor produtos adquiridos que necessitem de conserto. 

Pois bem, o artigo 18 do Código de Defesa do Consumidor prevê que os fornecedores de produtos são solidariamente responsáveis pelos vícios por eles apresentados, de modo que, constatado o vício, o consumidor pode exigir a substituição das partes viciadas. 

Em complemento, o parágrafo 1º do artigo 18 estabelece que se o vício não for sanado em até 30 dias, o consumidor pode exigir uma das três seguintes possibilidades: a) a substituição do produto por outra da mesma espécie; b) a restituição do valor pago; ou c) o abatimento proporcional do valor. No entanto, é importante fazer um destaque, o consumidor está condicionado a oportunizar que o fornecedor conserte o produto para que goze das prerrogativas do parágrafo primeiro. 

Feita uma breve síntese do artigo de lei em pauta, cabe pontuar as inovações trazidas pelo recente entendimento do STJ. Em termos práticos, a realidade era que, quando era constatado um vício no produto, o consumidor era responsável por encaminhar o produto à assistência técnica – dentro do prazo prescricional de 30 dias para produtos não duráveis e 90 dias para produtos duráveis. Ocorre que, o STJ, por meio do julgamento do Recurso Especial n° 1.568.938, entendeu que toda a cadeia de fornecimento (fabricante, distribuidor e comerciante) responde solidariamente pela garantia de qualidade e adequação do produto perante o consumidor, tendo em vista que todos foram responsáveis pela disponibilização do produto no mercado. 

A partir dessa noção, o STJ entendeu que é obrigação do comerciante receber os produtos que apresentarem defeito e fazer a intermediação de encaminhá-los à assistência técnica, diferentemente de como ocorria anteriormente, em que o consumidor era responsável por esta tarefa. 

Assim, no entender da Corte Superior, esta nova dinâmica oferece ao consumidor a oportunidade de escolher qual forma lhe será menos custosa ou embaraçosa para exercer seu direito de ter o produto adquirido consertado, seja levando-o à assistência técnica, ao fabricante ou diretamente ao comerciante que lhe vendeu. 

Desta forma, o STJ reitera a força protetiva que o consumidor detém no ordenamento jurídico brasileiro, ofertando mecanismos que tentem equilibrar a vulnerabilidade e a hipossuficiência do consumidor diante das grandes empresas. 

Fonte: Felipe Meneghello Machado, advogado da Cesar Peres Dulac Müller.

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram