Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 20 de outubro de 2020
Postado por: Equipe CPDMA

O novo papel do comerciante na intermediação do conserto de produtos adquiridos pelo consumidor: uma análise do novo entendimento do STJ

Diariamente nos deparamos com novas realidades, sendo inconcebível nos colocarmos a par do incessante fluxo de informações e avanços tecnológicos que a sociedade nos impõe. Assim como o cidadão não consegue acompanhar o ritmo imposto pelo atual modus operandi da sociedade pós-moderna, a lei igualmente não dá conta de regular as novas necessidades que surgem a todo momento.

O ato de criar leis, constitucionalmente atribuído ao Poder Legislativo, é, notoriamente, um procedimento vagaroso que, por sua própria natureza, não consegue acompanhar o acelerado compasso dos avanços da sociedade.

É nesta lacuna temporal que, por diversas vezes, os tribunais de instâncias superiores são provocados a dar novos contornos ou até mesmo novas interpretações à norma, para que o sentido interpretativo atribuído esteja em consonância com a realidade da sociedade atual, não permitindo sua obsolescência. 

Quando tratamos do Código de Defesa do Consumidor (CDC) - promulgado há exatos 30 anos - nota-se dinâmica similar a referida acima, em que o atual contexto social, informacional e tecnológico foi significativamente alterado, ensejando novas interpretações para além da literalidade formal dos dispositivos de lei. Dentro desse contexto de constante necessidade de reinterpretação e atualização das normas que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu modificar seu entendimento com relação a quem pode receber do consumidor produtos adquiridos que necessitem de conserto. 

Pois bem, o artigo 18 do Código de Defesa do Consumidor prevê que os fornecedores de produtos são solidariamente responsáveis pelos vícios por eles apresentados, de modo que, constatado o vício, o consumidor pode exigir a substituição das partes viciadas. 

Em complemento, o parágrafo 1º do artigo 18 estabelece que se o vício não for sanado em até 30 dias, o consumidor pode exigir uma das três seguintes possibilidades: a) a substituição do produto por outra da mesma espécie; b) a restituição do valor pago; ou c) o abatimento proporcional do valor. No entanto, é importante fazer um destaque, o consumidor está condicionado a oportunizar que o fornecedor conserte o produto para que goze das prerrogativas do parágrafo primeiro. 

Feita uma breve síntese do artigo de lei em pauta, cabe pontuar as inovações trazidas pelo recente entendimento do STJ. Em termos práticos, a realidade era que, quando era constatado um vício no produto, o consumidor era responsável por encaminhar o produto à assistência técnica – dentro do prazo prescricional de 30 dias para produtos não duráveis e 90 dias para produtos duráveis. Ocorre que, o STJ, por meio do julgamento do Recurso Especial n° 1.568.938, entendeu que toda a cadeia de fornecimento (fabricante, distribuidor e comerciante) responde solidariamente pela garantia de qualidade e adequação do produto perante o consumidor, tendo em vista que todos foram responsáveis pela disponibilização do produto no mercado. 

A partir dessa noção, o STJ entendeu que é obrigação do comerciante receber os produtos que apresentarem defeito e fazer a intermediação de encaminhá-los à assistência técnica, diferentemente de como ocorria anteriormente, em que o consumidor era responsável por esta tarefa. 

Assim, no entender da Corte Superior, esta nova dinâmica oferece ao consumidor a oportunidade de escolher qual forma lhe será menos custosa ou embaraçosa para exercer seu direito de ter o produto adquirido consertado, seja levando-o à assistência técnica, ao fabricante ou diretamente ao comerciante que lhe vendeu. 

Desta forma, o STJ reitera a força protetiva que o consumidor detém no ordenamento jurídico brasileiro, ofertando mecanismos que tentem equilibrar a vulnerabilidade e a hipossuficiência do consumidor diante das grandes empresas. 

Fonte: Felipe Meneghello Machado, advogado da Cesar Peres Dulac Müller.

Voltar

Posts recentes

Senado aprova medida provisória que regulamenta teletrabalho e altera regras referentes ao auxílio-alimentação

O Senado aprovou na quarta-feira, dia 03/08/2022, o Projeto de Lei de Conversão 21 de 2022, originário da Medida Provisória 1.108/2022, responsável por regulamentar o teletrabalho e alterar regras referentes ao vale-refeição (auxílio-alimentação). O Projeto de Lei segue para o Presidente da República para sanção. A MP altera o enunciado no art. 75-B da CLT, […]

Ler Mais
STF decide que norma coletiva que restringe direito trabalhista é constitucional

STF decide que norma coletiva que restringe direito trabalhista é constitucional. O Tribunal observou, contudo, que a redução de direitos por Acordos ou Convenções Coletivas deve respeitar as garantias constitucionalmente asseguradas aos trabalhadores. O Supremo Tribunal Federal decidiu que Acordos ou Convenções Coletivas de Trabalho que limitam ou suprimem direitos trabalhistas são válidas, desde que […]

Ler Mais
A ação de despejo na recuperação judicial

Empresas que ajuízam ação de recuperação judicial e têm o desenvolvimento de suas atividades em imóveis locados, poderão, caso haja inadimplemento, enfrentar ação de despejo, mesmo que o crédito esteja arrolado no quadro de credores. Acerca desse tema, existem algumas questões importantíssimas sendo tratadas nos tribunais quanto à suspensão da demanda e sobre a retomada do bem durante o período de processamento da recuperação judicial.

Ler Mais
Aprovada lei da desburocratização de Registros Públicos

No dia 27 de junho, foi sancionada a Lei nº 14. 382/2022, cujo objetivo principal é a criação do Sistema Eletrônico dos Registros Públicos (SERP), que visa unificar os sistemas de cartórios de todo país, desburocratizando o sistema cartorário nacional (a medida abrange os registros de imóveis, títulos e documentos civis de pessoas naturais e […]

Ler Mais
Lei de licitações e a utilização de Dispute Boards

Em contratos de grande escala, a complexidade, os valores envolvidos e o tempo são causas costumeiras de conflitos entre as partes. Uma opção eficaz para auxiliar na prevenção e resolução dessas disputas é chamada de dispute board. Esse método, ao contrário da mediação, arbitragem e conciliação, consiste na criação de um conselho de técnicos, nomeados […]

Ler Mais
Benefícios Fiscais ao Setor de Eventos - Lei do PERSE

As medidas restritivas adotadas em nível mundial para minimizar a propagação da Covid-19, inegavelmente, trouxeram impactos significativos a diversos setores da economia. A determinação de isolamento ou de quarentena para enfrentamento da pandemia, medida mais eficaz para redução da circulação do agente contagioso, fez com que o setor de eventos de cultura e entretenimento tenha […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram