Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 24 de setembro de 2020
Postado por: Equipe CPDMA

O novo sistema SisbaJud e suas inovações

O BacenJud 2.0 é o atual sistema utilizado pelo Poder Judiciário para solicitar informações e enviar ordens judiciais ao sistema financeiro nacional por meio da internet, interligando a Justiça ao Banco Central e às instituições financeiras. Apenas a título ilustrativo, no ano de 2019, foram lançadas 18 milhões de ordens judiciais, o que gerou o bloqueio de R$ 55,9 bilhões pelo sistema.

No entanto, na busca de maior celeridade, bem como diante da necessidade de avanços tecnológicos estruturais, foi firmado um acordo de cooperação técnica entre o CNJ (Conselho Nacional de Justiça), o Banco Central e a Procuradoria da Fazenda Nacional, culminado na criação de um novo sistema, intitulado SisbaJud (Sistema de Busca de Ativos do Poder Judiciário).

O SisbaJud chega para substituir o BacenJud 2.0, objetivando o aprimoramento da sistemática de transmissão das ordens judiciais às instituições financeiras. O novo sistema contará com dois módulos: um de afastamento de sigilo bancário e outro para requisição de informações sobre os devedores às instituições financeiras e penhora on-line de ativos.

Sobre o módulo da penhora on-line, os procedimentos de bloqueio de valores de devedores permanecerão iguais aos aplicados pelo BacenJud 2.0, contudo, será liberada a reiteração automática de ordens de bloqueio, podendo ser estipulado pelo magistrado a quantidade de vezes que a ordem será reiterada no sistema até o bloqueio total do valor determinado, não sendo mais necessária a emissão de sucessivas novas ordens atinentes a uma mesma decisão.

Já o módulo de afastamento do sigilo bancário constitui a primeira grande novidade do novo sistema, sendo uma ferramenta que automatiza o envio de ordem judicial de afastamento do sigilo bancário.

Como é sabido, o sigilo bancário é uma garantia fundamental constitucionalmente prevista, podendo ser afastado apenas em situações taxativas previamente estabelecidas, como é o caso da quebra de sigilo bancário por determinação judicial. Desse modo, o módulo de afastamento do sigilo bancário chega com o intuito de que o envio e acompanhamento das ordens de quebra do sigilo bancário encaminhadas às instituições financeiras (BACEN, CVM e outras instituições financeiras) sejam feitas em tempo real, tendo em vista que a transmissão das informações solicitadas é realizada de forma digital, sendo dispensado o conceito de minuta no novo módulo, conferindo mais agilidade ao procedimento.

O Superior Tribunal de Justiça (REsp 1.220.307/SP) afirmou que a possibilidade de quebra do sigilo fiscal ou bancário do executado só pode ocorrer de forma excepcional, ou seja, após o esgotamento das tentativas de localização de bens do devedor. A quebra só pode acontecer depois de decisão judicial devidamente fundamentada, com a demonstração da necessidade da medida para garantir a eficácia dos atos executórios. O novo módulo de quebra do sigilo bancário não deve ser usado indiscriminadamente, sendo necessária a avaliação das medidas constritivas já realizadas no processo.

O novo módulo busca a redução dos prazos de comunicação entre o Poder Judiciário e as instituições financeiras, procurando auxiliar todos os ramos da justiça, em seus diversos âmbitos de atuação: execuções cíveis, fiscais e trabalhistas, entre outras. 

Com o novo sistema, além das requisições que já eram previstas pelo BacenJud 2.0, é possível solicitar faturas de cartão de crédito, contratos de câmbio e de abertura de conta, cópias de cheques, saldo das contas de FGTS e PIS, entre outras informações.

Ainda, outra novidade é a integração da penhora online com o PJe (Processo Judicial Eletrônico), por meio de interface web, bem como, para os Tribunais que assim desejarem, de integração via API (Application Programming Interface) desenvolvida especialmente para essa finalidade.

Além disso, o novo sistema possui informações de outras instituições financeiras e engloba produtos que não eram contemplados pelo sistema antigo, como é o caso, por exemplo, das criptomoedas, que poderão ser bloqueadas.

Essas são as principais novidades implementadas pelo novo sistema na busca de maior efetividade e celeridade na condução dos processos judiciais.

Fonte: Felipe Meneghello Machado, advogado da Cesar Peres Dulac Müller.

Voltar

Posts recentes

Conheça a classe de ativos “marca”

Seguindo com a nossa série de posts que explica as diferenças entre as classes de ativos intelectuais, hoje trataremos da MARCA. A marca é um sinal utilizado para distinguir e identificar um produto ou serviço. Seu registro é realizado junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial, INPI, garantindo ao titular a exclusividade de uso em […]

Ler Mais
A Propriedade Intelectual confere ao autor, inventor ou titular do conhecimento, poder para resguardar seus direitos

A propriedade intelectual confere ao autor, inventor e/ou titular do conhecimento protegido o poder de resguardar seus direitos, podendo, por exemplo, proibir terceiros de produzir, utilizar, vender ou importar sua invenção, bem como impedir a reprodução ou imitação de sua marca, além de garantir exclusividade ao titular da criação [1] (ARAÚJO; BARBOSA; QUEIROGA; ALVES, 2010). […]

Ler Mais
Na melhor tradição CPDMA em receber bem, nosso novo escritório em São Paulo está pronto para sua visita

O suporte em Direito Empresarial que seu negócio procura, com o atendimento diferenciado CPDMA que você merece. Localizada estrategicamente no coração do Itaim Bibi, um dos centros financeiros mais vibrantes de São Paulo, a filial da CPDMA está situada na Rua Bandeira Paulista, 716, conjunto 31/32. Para mais informações ou agendar uma visita, entre em […]

Ler Mais
O risco de não estar atento às modificações de uma marca

A marca de azeites portugueses GALLO aproveitou a proximidade da Páscoa e anunciou uma modificação na forma de apresentação da marca e do rótulo de seus produtos. Segundo o diretor de marketing da empresa, Pedro Gonçalves, a nova identidade visual foi inspirada em uma lenda sobre a origem da marca. Ele relata que em 1919, […]

Ler Mais
A proteção conferida às marcas de alto renome

Circulou nas últimas semanas em sites jurídicos a notícia de que a Justiça Federal teria anulado um registro para a marca “CHEVETTE DRINK”. O registro, com apresentação nominativa, foi considerado anulável por infringir o artigo 124, inciso VI, da Lei da Propriedade Industrial (LPI), que veda registro de sinais de caráter genérico, empregados comumente para […]

Ler Mais
Domicílio Judicial Eletrônico: empresas devem se cadastrar até 30 de maio

As grandes e médias empresas [1] de todo o país terão até o dia 30 de maio de 2024 para realizar o cadastro voluntário no Domicílio Judicial Eletrônico, ferramenta do Programa Justiça 4.0 que centraliza informações e comunicados dos processos dos tribunais brasileiros. Encerrado este prazo, os cadastros serão feitos de forma compulsória, a partir […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram