Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 10 de maio de 2022
Postado por: Equipe CPDMA

Philco é processada por suposta imitação de trade dress de batedeiras

Batedeira vermelha de linhas sofisticadas, com batedor levantado, mostrando uma massa de textura homogênea.

A multinacional Whirlpool, dona da marca KitchenAid e diversas outras marcas famosas no segmento de eletrodomésticos como Brastemp e a Consul, está processando a Philco por concorrência desleal e supostos ilícitos contra propriedade industrial da linha de batedeiras “Artisan” da KitchenAid. A ação tramita na 2ª Vara Empresarial e de Conflitos de Arbitragem de São Paulo, onde a Whirlpool alega que a concorrente brasileira imita 7 características básicas do design (trade dress) da batedeira da marca .

Na petição inicial, a Whirlpool trouxe como argumento uma pesquisa de opinião, realizada pelo IPEC, na qual se poderia constatar que 47% dos entrevistados entendem que as batedeiras são muito parecidas e que poderiam se confundir. A mesma pesquisa demonstrou que 76% dos consumidores relacionam o modelo da batedeira em questão diretamente com a marca KitchenAid quando estimulados pela imagem. Requereu, em sede liminar, o recolhimento dos produtos e do material publicitário existente no mercado. O magistrado, em primeiro grau, decidiu pelo indeferimento do pedido, entendendo que não poderia retirar de circulação os produtos da empresa brasileira sem que houvesse perícia prévia com especialista da confiança do juízo.

O trade dress nada mais é do que a identidade visual do produto ou serviço apresentado ao público, a “roupagem” que faz com que o consumidor identifique imediatamente a sua origem e o diferencie de outros concorrentes. Embora não regulado pela Lei da Propriedade Industrial (Lei nº 9.279/1996), o conjunto-imagem de produtos e serviços (trade dress) é suscetível de proteção jurídica quando a utilização de conjunto semelhante resulte em ato de concorrência desleal, ou seja, quando há confusão e/ou associação pelos consumidores com produtos e serviços concorrentes.

A Philco se defende alegando que a única semelhança entre as batedeiras é tão somente a cor vermelha, o que não caracterizaria imitação do trade dress, pois para que seja considerada imitação indevida é necessária a associação de diversos elementos de design de forma conjugada. Refere ainda, que a proteção por trade dress cabe a tudo que não é protegido por marca, desenho industrial e por patente.

Nos termos do art. 95 da Lei de Propriedade Industrial, considera-se desenho industrial a forma plástica ornamental de um objeto ou o conjunto ornamental de linhas e cores que possa ser aplicado a um produto, proporcionando resultado visual novo e original na sua configuração externa e que possa servir de tipo de fabricação industrial. O desenho industrial traz ao produto uma nova apresentação, uma nova forma que não aumenta a utilidade daquele produto em si.

Se o consumidor, pessoa comum, compra um produto achando que está comprando outro há evidente contrafação de desenho industrial, que é o que alega a empresa Whirlpool. Contudo, desde o momento da criação da batedeira, a Whirlpool não efetuou o registro do desenho industrial no Brasil junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial - INPI, fazendo com que sua tese tenha que se pautar tão somente no instituto do conjunto-imagem. Inclusive, quem possui o registro sobre a forma plástica das batedeiras em questão na forma de Desenho Industrial é a própria Philco, que recebeu a concessão ainda no ano de 2018, antes mesmo de começar a comercializar a linha no ano de 2019.

Para que seja possível proteger o design de um produto, é necessário, desde que ele seja novo e original, que seja depositado junto ao INPI tão logo seja criado. Nem mesmo as maiores empresas, como é o caso da Whirlpool, estarão protegidas pela Lei de Propriedade Industrial se negligenciarem o registro de seu engenho no Brasil.

Referências:

Valor Econômico

Yahoo Finanças

O Globo | Economia

Equipe CPDMA - Propriedade Intelectual

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram