Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 24 de abril de 2019
Postado por: Equipe CPDMA

Política de crédito e cobrança: qual a opção certa para a sua empresa?

A inadimplência lesa todo o tipo de atividade econômica e é quase inevitável num ambiente de crise. Entretanto, o seu impacto sobre os agentes econômicos pode ser minimizado, como se verá neste breve artigo, que propõe uma reflexão sobre qual é a política correta de crédito e cobrança para a sua empresa. Adiante.

A política de concessão de crédito tem por objetivo traçar estratégias de entrada e fixação no mercado, minimizando, na medida do possível, o risco e o impacto da inadimplência no fluxo de caixa da empresa; ou seja, visa a alcançar o lucro, com ajuste de risco, e a satisfazer os clientes, ao mesmo tempo em que procura manter um sólido portfólio de crédito.

O primeiro passo para o estabelecimento de uma boa política de concessão de crédito passa pelo autoconhecimento. A empresa precisa entender qual é o timing em que o seu empreendimento se encontra. Assim, antes de qualquer ação, deve procurar respostas para os seguintes questionamentos: estou entrando ou já domino o mercado em que atuo?; qual a minha capacidade de caixa para enfrentar a inadimplência?; para quem eu posso conceder crédito?; que critérios devo utilizar para avaliar um possível cliente? Ou seja, avalie o risco do seu cliente e conheça os seis Cs do crédito, uma estrutura de análise bastante utilizada. Veja, a seguir, em que consistem.

Caráter: São informações referentes à índole, idoneidade e reputação do cliente. Capacidade: Este “C” deve fornecer informações que possibilitem avaliar se as receitas e despesas permitem o cumprimento das obrigações a serem assumidas. Capital: Informações referentes à estrutura de capital, endividamento, liquidez, lucratividade e outros índices financeiros obtidos por meio dos demonstrativos financeiros do cliente. Colateral: É a capacidade da empresa ou dos sócios em oferecer garantias ao empréstimo. Condições: Informações referentes à capacidade dos administradores de se adaptarem a situações conjunturais, ter agilidade e flexibilidade de adaptar-se e criar mecanismos de defesa. Conglomerado: São informações da situação de outras empresas situadas num mesmo grupo econômico e como poderão afetar a empresa.

É muito importante lembrar que o ritmo financeiro em que a empresa se manterá no mercado, em relação às vendas, será determinado pela política de crédito adotada por ela.

O fato é que, mesmo adotando uma política de crédito rigorosa, nenhuma empresa está a salvo de se tornar vítima da inadimplência no atual momento. Por isso, o empresário precisa ter em mente que, ao invés de excomungar o cliente inadimplente, é mais produtivo apostar numa boa estratégia de cobrança.

É possível, com medidas simples, tornar a retomada do crédito mais eficaz. Dentre estas, são imprescindíveis: atualizar sempre o cadastro de cada cliente, checando e consolidando o maior número de informações que estiver ao seu alcance; realizar o registro das suas vendas, principalmente com a comprovação da entrega da mercadoria, especificando o código da compra ou número da nota fiscal, valor da transação e a quantidade de parcelas; manter atualizado e sob controle o status do crédito, com informações como “paga”, “pendente” e “atrasada”. A partir dessa organização básica, é possível ter as ferramentas necessárias para planejar a cobrança, sendo ideal estabelecer uma rotina de atuação contra a inadimplência.

Enfim, partindo dessas premissas, cabe ao empresário escolher as opções mais adequadas para concessão e resgate do crédito oferecido no mercado. O mais importante é criar uma política de crédito e cobrança de acordo com as particularidades do negócio, para minimizar os riscos de calote.

De tudo o que foi dito, é crucial seguir os seguintes passos: determinar as regras e condições para a concessão de crédito; anotar todas as vendas e controlar as contas a receber; agilizar os processos com um software de gestão; roteirizar e organizar a cobrança dos devedores; e, por fim, respeitar o Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Fonte: Flávia Webster, advogada da Cesar Peres Dulac Müller, é especialista em Direito e Processo Civil e em Recuperação de Crédito.

Voltar

Posts recentes

Extinção de sociedade limitada e a responsabilidade dos sócios

O processo de extinção de uma sociedade limitada passa por três etapas, sendo a primeira delas a Dissolução, seguida da Liquidação e por fim, a Extinção. A fase de Dissolução, podendo ser parcial ou total (para o fim de extinção, ocorre a dissolução total), pode-se dizer que é o momento em que os sócios manifestam […]

Ler Mais
CARF Decide que demora na integralização do AFAC não descaracteriza operação e afasta incidência de IOF

A Terceira Turma da Câmara Superior de Recursos Fiscais (CARF), por voto de qualidade, entendeu que a demora na integralização do capital social nas operações de Adiantamento para Futuro de Aumento de Capital – AFAC não caracteriza a operação como mútuo e, com isso, afasta a incidência de IOF. O AFAC é uma operação que […]

Ler Mais
Philco é processada por suposta imitação de trade dress de batedeiras

A multinacional Whirlpool, dona da KitchenAid e diversas outras marcas famosas no segmento de eletrodomésticos como Brastemp e a Consul, está processando a Philco por concorrência desleal e supostos ilícitos contra propriedade industrial da linha de batedeiras “Artisan” da KitchenAid. A ação tramita na 2ª Vara Empresarial e de Conflitos de Arbitragem de São Paulo, […]

Ler Mais
A distribuição de lucros por empresas em recuperação judicial

Não são raras as vezes que podemos observar empresas cujos sócios possuem um baixo pró-labore e têm a complementação de seus rendimentos por meio de antecipação dos dividendos. A prática, [1] contudo, não se mostrava alinhada com os preceitos da recuperação judicial e o estado de insolvência das devedoras, uma vez que os sócios estariam retirando os […]

Ler Mais
Da possibilidade de penhora de bem de família do fiador

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou Recurso Extraordinário, submetido ao rito de repercussão geral, onde por maioria de votos entendeu por permitir que locadores de imóveis comerciais possam penhorar bem de família do fiador para garantir o recebimento dos aluguéis não pagos pelo locatário. No seu voto, o relator, ministro Alexandre de Moraes, asseverou […]

Ler Mais
Paródias musicais não precisam mencionar o autor da obra original, decide STJ

Há alguns dias o STJ divulgou o resultado de um julgamento promovido pela Corte, o qual se discutiu sobre a necessidade de menção do autor da obra original quando da confecção e divulgação de paródia, à luz dos direitos autorais.  O Superior Tribunal de Justiça deu provimento ao Recurso Especial interposto pela Rádio e Televisão […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram