Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 18 de março de 2019
Postado por: Equipe CPDMA

Renault terá de indenizar Volkswagen por publicidade que ironiza carro Up!

Para desembargador, propaganda é de ‘abusiva depreciação’ e ultrapassou os limites da liberdade de informação.

Ao chegar a uma lombada, o motorista freia para que uma mulher e duas crianças desçam do carro. Segundos depois, assim que o motorista passou pelo obstáculo, os passageiros voltam ao veículo, enquanto um locutor diz “carro compacto não precisa ter altura de compacto”.

Em outra cena, um casal fica encolhido no banco traseiro e apresenta dificuldade para tirar o cinto de segurança. O locutor diz mais uma vez: “não é você que é alto demais. É seu carro que é compacto demais”. As cenas fazem parte de uma campanha publicitária do Renault Kwid, que foi considerada abusiva pela 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). O caso tramita sob o número 1045748-39.2017.8.26.0100.

A Volkswagen argumenta no processo que a propaganda da concorrente retrata o seu veículo em situações vexatórias e sem apresentar critérios objetivos que comprovem uma suposta inferioridade da marca alemã. Para os advogados do escritório Opice Blum, que defendem a empresa, a propaganda configurou uma concorrência desleal — sem a autorização de uso de imagem do veículo Up!, que ainda por cima foi ridicularizado. Por isso, a Volkswagen pediu uma indenização de R$ 900 mil e a proibição da publicação de novos comerciais ofensivos.

Já a Renault, defendida pelo escritório do advogado Paulo Gomes de Oliveira Filho, argumenta que os anúncios questionados “apenas refletem, de forma absolutamente transparente, os resultados” de medidas obtidas em avaliações de comprimento, distância entre eixos, altura ao solo, altura do banco do motorista e altura da cabine.

“A propaganda comparativa é uma prática publicitária lícita, e mesmo exibindo produto ou marca de produtos concorrentes – que no caso não ocorreu –, não configuraria ilícito porque teria por finalidade tão somente identificar os produtos que participaram da comparação, sem que isso provocasse confusão ao consumidor em relação à identificação, que é a função distintiva da marca”, defenderam os advogados Oliveira Filho e Mariana Sceppaquercia Galvão.

O acórdão

De acordo com o desembargador Cláudio Godoy, relator do caso no TJSP, a Constituição Federal, de fato, permite a publicidade comparativa como manifestação da livre iniciativa e o exercício da livre concorrência.

Entretanto, segundo o magistrado, o comercial não pode ultrapassar os limites da liberdade de informação. Para ele, a Renault ultrapassou esses limites ao formular uma propaganda de “abusiva depreciação” do concorrente.

Segundo Godoy, a ilegalidade do comercial é comprovada pela maneira como a Renault compara o seu produto ao da Volkswagen, utilizando expressões e imagens “desnecessariamente agressivas”.

“Na comparação se exaltam mais as críticas em relação ao produto da concorrência do que as próprias vantagens do produto da empresa anunciante”, entendeu o magistrado. Para o desembargador, a ofensa à Volkswagen não é afastada mesmo com o conteúdo humorístico presente no comercial.

Além disso, mesmo com a tentativa da Renault de descaracterizar o carro da Volkswagen, removendo os logotipos e faixas laterias, ainda assim é possível afirmar que o carro é da concorrente.

Sobre o trecho do comercial que ironiza o suposto pouco espaço que o carro da Volkswagen teria, o desembargador afirma que não há na peça publicitária qualquer dado ou informação objetiva que comprove a crítica. “Isto se faz mediante a inequívoca ridicularização do produto concorrente, desnecessária à comparação e desleal se nada de objetivo se demonstra a respeito”, assevera o magistrado.

O desembargador destaca que foi “emblemático que, tão logo notificados extrajudicialmente, os réus tenham retirado a campanha do ar”. Mesmo com a remoção, ele argumenta que houve o dano moral devido às visualizações anteriores e às notícias sobre o caso.

Apesar de condenar a Renault a pagar a indenização, que será calculada com base no número de dias que a publicidade ficou disponibilizada na internet, o magistrado rejeitou a solicitação da Volkswagen para que a Renault seja impedida de veicular novos comerciais ofensivos contra marcas ou produtos da Volskwagen.

“Não há possível controle preventivo que se faça de modo assim tão genérico, abstrato, vedando, em superfetação ao texto legal, novas e futuras ofensas que nem bem se sabe quais serão, se ocorrerem”, decidiu Godoy.

“Mesmo a vedação a uma publicidade que contivesse imagens ou referência ao produto das autoras não se poderia aprioristicamente vedar porque, como se viu, em si a publicidade comparativa não é vedada e pode ser veiculada de modo regular”, disse o desembargador.

Fonte: Alexandre Leoratti via Jota.

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram