Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 21 de junho de 2023
Postado por: Equipe CPDMA

STJ decide que, na cessão de direitos creditórios, o crédito mantém sua natureza original

Imagem de uma advogado em uma mesa, escrevendo, com um sinal de por cento em primeiro plano indicando decisão do STJ.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao julgar o recurso especial 1.984.424/SP, proferiu uma importante decisão sobre a possibilidade de alteração da natureza do crédito após a sua cessão. Em um caso de execução de título extrajudicial envolvendo uma Cédula de Crédito Bancário, o tribunal determinou que a cessão do crédito não altera sua natureza original. Isso significa que, mesmo quando o crédito é cedido a um terceiro que não faz parte do Sistema Financeiro Nacional, esse terceiro tem o direito de cobrar os encargos previamente pactuados, sem a limitação imposta pela Lei de Usura.

O recurso especial foi interposto pelo Banco BTG Pactual S.A., incorporador da Novaportfolio Participações S.A., contra um acórdão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. O caso envolvia a cobrança de encargos superiores aos previstos na Lei de Usura após a cessão do crédito. O tribunal de origem entendia que a cessão do crédito, feita por meio de cessão civil, não se equiparava ao endosso em preto, requisito para a transferência de uma Cédula de Crédito Bancário.

No entanto, o STJ decidiu que a transmissão do crédito por meio de cessão civil não retira do cessionário o direito de cobrar os juros e demais encargos na forma originalmente pactuada. O tribunal fundamentou sua decisão nos artigos 286 e 287 do Código Civil, que estabelecem que todo crédito pode ser cedido, desde que não haja impedimento na natureza da obrigação, na lei ou na convenção com o devedor. Além disso, salvo disposição em contrário, na cessão de crédito todos os seus acessórios estão abrangidos.

A decisão esclarece que a cessão do crédito não altera sua natureza original. Isso significa que o cessionário, mesmo não sendo uma instituição financeira, pode cobrar os encargos conforme pactuado na Cédula de Crédito Bancário, sem a aplicação das limitações impostas pela Lei de Usura, trazendo, assim, maior segurança jurídica para as partes envolvidas em operações de cessão de crédito e fortalecendo a transferência de créditos como instrumento de negócios no mercado.

Álvaro Scarpellini Campos
Direito Cível | Equipe CPDMA

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram