Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 28 de fevereiro de 2019
Postado por: Equipe CPDMA

STJ reduz possível uso de créditos de IPI por indústria tabagista

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que a compra de fumo de produtores pessoas físicas ou atacadistas pela indústria tabagista não gera créditos do imposto. Isso porque, nesse caso, a venda é feita por quem não é contribuinte do Imposto sobre o Produto Industrializado (IPI).

Os ministros da 1a Turma analisaram o tema ao julgar processo relativo à ATC Associated Tobacco Company Brasil, que atua na industrialização e comércio de fumo. A decisão foi proferida por quatro votos a um.

O tema é de interesse do setor, que pode usar tais créditos para quitar débitos do imposto, e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) — por causa dos altos valores de IPI arrecadados da indústria tabagista.

Em 2005, a ATC pediu o ressarcimento ou compensação de créditos fiscais, por ter saldo credor de IPI, para o intervalo de janeiro a junho daquele ano. O pedido se baseou em previsão do Regulamento de IPI de 2002 (Decreto no 4.544, de 2002) sobre a não cumulatividade do imposto — que garante que o imposto não incida sobre ele mesmo a cada etapa da produção até a venda ao consumidor final.

Para o Fisco, contudo, não haveria créditos porque eles se referiam à aquisição de fumo cru, vendido por produtores rurais pessoas físicas, sobre os quais não houve, anteriormente, a incidência de IPI.

A empresa levou a discussão para o STJ para pedir a reforma de uma decisão do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4a Região (Sul). O acórdão não reconheceu a existência de créditos de IPI porque não houve a cobrança do imposto na entrada do produto no estabelecimento atacadista (não contribuinte do IPI). Nem na industrialização por encomenda quando o encomendante adquiriu fumo cru de pessoas físicas (não contribuintes também).

Por maioria, os ministros negaram o pedido da ATC (Resp 1693760). O julgamento, que já havia sido iniciado antes, foi retomado na terça-feira com o voto da ministra Regina Helena Costa.

A ministra considerou que a empresa processa industrialmente fumo cru e folhas de tabaco, comprando de produtores que não são contribuintes de IPI. Por isso, negou o pedido.

Para Regina, o crédito de IPI é básico, ligado ao princípio da não cumulatividade e não presumido. “Incentivo ou benefício fiscal não se presume. A concessão de crédito presumido só pode ser feita por meio de lei específica, o que não ocorre neste caso”, afirmou.

A ministra destacou ainda que o produto final não é exportado. Isso é importante para a decisão, pois, no contexto da exportação, poderia haver a opção de estimular o setor por meio de créditos presumidos de IPI compensáveis com outros tributos.

O relator, ministro Gurgel de Faria, acompanhou o voto. Ele também foi seguido pelos ministros Sérgio Kukina e Benedito Gonçalves. O ministro Napoleão Nunes Maia Filho ficou vencido.

Fonte: Beatriz Olivon via Valor Econômico.

Voltar

Posts recentes

A Resolução n° 80 da CVM e a dissonância com o sigilo inerente aos procedimentos arbitrais

Em vigor desde 02 de maio de 2022, a Resolução n° 80 da CVM traz um novo comunicado sobre demandas societárias, regulando o registro e a prestação de informações periódicas e eventuais dos emissores de valores mobiliários. Tal regulação foi objeto da Audiência Pública 1/21 e consolidou o conteúdo das Instruções n° 367 e 480 […]

Ler Mais
Extinção de sociedade limitada e a responsabilidade dos sócios

O processo de extinção de uma sociedade limitada passa por três etapas, sendo a primeira delas a Dissolução, seguida da Liquidação e por fim, a Extinção. A fase de Dissolução, podendo ser parcial ou total (para o fim de extinção, ocorre a dissolução total), pode-se dizer que é o momento em que os sócios manifestam […]

Ler Mais
CARF Decide que demora na integralização do AFAC não descaracteriza operação e afasta incidência de IOF

A Terceira Turma da Câmara Superior de Recursos Fiscais (CARF), por voto de qualidade, entendeu que a demora na integralização do capital social nas operações de Adiantamento para Futuro de Aumento de Capital – AFAC não caracteriza a operação como mútuo e, com isso, afasta a incidência de IOF. O AFAC é uma operação que […]

Ler Mais
Philco é processada por suposta imitação de trade dress de batedeiras

A multinacional Whirlpool, dona da KitchenAid e diversas outras marcas famosas no segmento de eletrodomésticos como Brastemp e a Consul, está processando a Philco por concorrência desleal e supostos ilícitos contra propriedade industrial da linha de batedeiras “Artisan” da KitchenAid. A ação tramita na 2ª Vara Empresarial e de Conflitos de Arbitragem de São Paulo, […]

Ler Mais
A distribuição de lucros por empresas em recuperação judicial

Não são raras as vezes que podemos observar empresas cujos sócios possuem um baixo pró-labore e têm a complementação de seus rendimentos por meio de antecipação dos dividendos. A prática, [1] contudo, não se mostrava alinhada com os preceitos da recuperação judicial e o estado de insolvência das devedoras, uma vez que os sócios estariam retirando os […]

Ler Mais
Da possibilidade de penhora de bem de família do fiador

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou Recurso Extraordinário, submetido ao rito de repercussão geral, onde por maioria de votos entendeu por permitir que locadores de imóveis comerciais possam penhorar bem de família do fiador para garantir o recebimento dos aluguéis não pagos pelo locatário. No seu voto, o relator, ministro Alexandre de Moraes, asseverou […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram