Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 22 de abril de 2019
Postado por: Equipe CPDMA

Trabalho escravo e as consequências da aplicação do Direito Penal na Justiça do Trabalho

A prática do trabalho escravo é um dos assuntos mais em evidência na mídia e nos tribunais, por incrível que pareça, mesmo em pleno século XXI. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), 20 milhões de pessoas em todo o mundo são vítimas da escravidão contemporânea.

Tradicionalmente, esse tipo de mão de obra é empregada em atividades econômicas desenvolvidas nas áreas de produção de carvão e no meio rural – na pecuária e nos cultivos de cana-de-açúcar, soja e algodão. Nos últimos anos, essa situação também tem sido verificada em centros urbanos, especialmente na indústria têxtil e construção civil. Infelizmente, há registros de trabalho escravo em todos os estados brasileiros.

No ordenamento jurídico brasileiro, o Código Penal, em seu artigo 149, estabelece pena de ‘‘reclusão, de dois a oito anos, e multa, além da pena correspondente à violência’’, para aquele que ‘‘reduzir alguém à condição análoga à de escravo, quer submetendo-o a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva, quer sujeitando-o a condições degradantes de trabalho, quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto’’. 

Ao contrário do que se imagina por escravidão, para configuração do crime do artigo 149 do Código Penal, não é necessário que se prove a coação física da liberdade de ir e vir ou mesmo o cerceamento da liberdade de locomoção. Basta a submissão da vítima ‘‘a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva’’ ou ‘‘a condições degradantes de trabalho”.

Trabalho escravo contemporâneo consiste na superexploração do trabalhador por aquele que, ao tomar seus serviços, visando ao lucro máximo, nega-lhe os direitos fundamentais assegurados na Constituição da República, especialmente a sua dignidade. 

Importante ressaltar aqui que não pode o trabalho escravo ser caracterizado por meras infrações trabalhistas, mas sim quando comprovado crime contra a dignidade do trabalhador. Todo ser humano nasce com os mesmos direitos fundamentais. Estes, quando violados, nos arrancam dessa condição e nos transformam em coisas, instrumentos descartáveis de trabalho. Quando um trabalhador mantém sua liberdade, mas é excluído de condições mínimas de dignidade, aí sim temos caracterizado trabalho escravo. 

Porém, as consequências na submissão do empregado a trabalho análogo ao de escravo não são somente criminais, já que a conduta também possui repercussão na Justiça do Trabalho. Ou seja, as empresas que se valem deste tipo de mão de obra estão sujeitas ao pagamento de indenizações altíssimas a título de dano moral coletivo. 

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) publicou no dia 16/10/2017 a Portaria MT 1.129, na qual dispõe sobre os conceitos de trabalho forçado, jornada exaustiva e condições análogas à de escravo a serem observados pelos auditores no momento das fiscalizações.

Como já dito, não é qualquer descumprimento de normas trabalhistas que gera a incidência do tipo previsto no artigo 149 do Código Penal. Apenas se incrimina a conduta que acarrete a ‘‘redução à condição análoga à de escravo’’, o que pressupõe total menosprezo à dignidade da pessoa humana na relação de trabalho. Naqueles casos em que este é prestado sem mínimas condições de higiene, saúde e segurança ou, ainda, em jornada extremamente exaustiva.

Condição degradante de trabalho é, pois, aquela que transcende o exercício regular do labor, é aquilo que humilha o trabalhador para além das condições peculiares à atividade em si. 

Já a jornada exaustiva não se constitui naquelas simples horas extras, mesmo que habituais e corretamente remuneradas, e sim a que impossibilita o empregado de se relacionar e de conviver em sociedade por meio de atividades recreativas, afetivas, espirituais, culturais, esportivas, sociais e de descanso, que lhe trarão bem-estar físico e psíquico e, por consequência, felicidade. Ou o impede de executar, de prosseguir ou mesmo de recomeçar os seus projetos de vida, que serão, por sua vez, responsáveis pelo seu crescimento ou realização profissional, social e pessoal.

Para fins de reconhecimento do crime de redução à condição análoga à de escravo, e consequentemente condenação na justiça laboral, deve se exigir a comprovação de que a violação aos direitos do trabalho tenha sido intensa e persistente.

O mundo do trabalho está em constante transição. Assim, o magistrado deve, sopesando os princípios constitucionais e os direitos fundamentais, adequar ou não a conduta patronal ao tipo penal descrito no artigo 149 do Código Penal.

Destaco que a Justiça do Trabalho não deve se ocupar de ofensas que não atinjam, com tamanha gravidade, o objeto jurídico tutelado – a dignidade do trabalhador. Em outras palavras, o Direito Penal só deve ser invocado como último recurso. Ou seja, somente a sujeição do trabalhador a condições absolutamente indignas, com a violação à própria dignidade humana, é que deve configurar trabalho em condições análogas à de escravo.

Fonte: Alice Romero, advogada da Cesar Peres Dulac Müller, é especialista em Processo e em Direito do Trabalho.

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram