Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 8 de fevereiro de 2021
Postado por: Equipe CPDMA

Direitos do credor: rescisão e suspensão contratual no cenário pandêmico

O cenário pandêmico que assolou o fim do ano de 2019, o ano de 2020 e que ainda perdura em 2021 traz inúmeras dúvidas pois, diante dos acontecimentos, diversas contratações foram abaladas, o inadimplemento cresceu e a falta de clareza nas normas e na jurisprudência instaurou insegurança nas relações. Sendo assim, é necessário que o credor esteja ciente dos seus direitos para prevenir prejuízos e abusos.

Dentre as disposições legais que envolvem o tema, o artigo 393 do Código Civil (1) que trata do caso fortuito e força maior, bem como, o artigo 478 do mesmo código (2), por exemplo, estão sendo comumente utilizados pelos devedores como argumento para justificar a rescisão dos contratos. 

Segue trecho do art. 478, CC:

“Art. 478. Nos contratos de execução continuada ou diferida, se a prestação de uma das partes se tornar excessivamente onerosa, com extrema vantagem para a outra, em virtude de acontecimentos extraordinários e imprevisíveis, poderá o devedor pedir a resolução do contrato [...]”

Logo, da leitura do diploma legal acima, entende-se de forma prematura que, basta o pedido de rescisão mediante o surgimento do COVID-19 para que a relação seja extinta. Ainda, há, de fato, jurisprudência extirpando a multa contratual e outros encargos, porém devem ser observadas as particularidades de cada caso.

Nessa perspectiva, diante de um pedido de rescisão ou suspensão do contrato, o credor deve conhecer algumas de suas principais garantias legais: O COVID-19 não caracteriza caso fortuito ou força maior, pois a sua transitoriedade não gera a impossibilidade de adimplemento das obrigações (3). O contrato não pode restar oneroso demais ou gerar extrema vantagem para qualquer das partes, incluindo o próprio credor.

O dever de renegociar os contratos parte da cláusula geral da boa-fé objetiva, porém não se trata de obrigação de aceitar a proposta da parte contrária (4). Deve ser observado o princípio do Pacta Sunt Servanda (os pactos devem ser cumpridos) (5).

Os tribunais vêm entendendo que as imposições do contrato devem ser observadas, sendo a rescisão e a revisão judicial medidas extraordinárias, devendo haver o regular contraditório e a ampla defesa, inclusive com o pagamento de caução (6).  

Portanto, ciente de seus direitos, o credor poderá se resguardar e evitar o inadimplemento imotivado, de forma a garantir o recebimento do seu crédito ou ver satisfeita a contraprestação pactuada. Outrossim, nada impede que sejam renegociados ou reajustados os contratos para que a relação não se perca mediante o agravamento financeiro da contraparte.

--

(1) Art. 393. O devedor não responde pelos prejuízos resultantes de caso fortuito ou força maior, se expressamente não se houver por eles responsabilizado. Parágrafo único. O caso fortuito ou de força maior verifica-se no fato necessário, cujos efeitos não era possível evitar ou impedir.

(2) Art. 478. Nos contratos de execução continuada ou diferida, se a prestação de uma das partes se tornar excessivamente onerosa, com extrema vantagem para a outra, em virtude de acontecimentos extraordinários e imprevisíveis, poderá o devedor pedir a resolução do contrato. Os efeitos da sentença que a decretar retroagirão à data da citação.

(3) (TJ-DF 07112805420208070001 DF 0711280-54.2020.8.07.0001, Relator: ANGELO PASSARELI, Data de Julgamento: 09/12/2020, 5ª Turma Cível, Data de Publicação: Publicado no PJe : 11/01/2021. Pág.: Sem Página Cadastrada).

(4) SCHEIBER, Anderson. Dever de renegociar. Publicado em 16 de janeiro de 2018. Disponível em: http://genjuridico.com.br/2018/01/16/dever-de-renegociar/ Acessado em 25 de janeiro de 2021.

(5) (TJ-SP - AC: 10110275620208260003 SP 1011027-56.2020.8.26.0003, Relator: Carlos Dias Motta, Data de Julgamento: 13/01/2021, 26ª Câmara de Direito Privado, Data de Publicação: 13/01/2021).

(6) (TJ-PR - AI: 00399941920208160000 PR 0039994-19.2020.8.16.0000 (Acórdão), Relator: Desembargador Marcelo Gobbo Dalla Dea, Data de Julgamento: 13/10/2020, 18ª Câmara Cível, Data de Publicação: 13/10/2020).

Fonte: Shaiene dos Santos Trindade da Costa, advogada da Cesar Peres Dulac Müller.

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram