Cesar Peres Dulac Müller logo

CPDMA BLOG

Category:
Date: March 3, 2020
Posted by: CPDMA Team

The legal validity of blockchain as a mechanism for reputable certification of documents

Sem sombra de dúvidas, a internet revolucionou a forma como o ordenamento jurídico pátrio responde às tecnologias e às ferramentas disponíveis para a otimização de processos judiciais e a solução de conflitos. Um grande exemplo é o impacto da tecnologia blockchain – conhecida como ‘‘protocolo de confiança’’ – na certificação de documentos juntados em autos processuais como prova documental. 

Para os pouco afeitos à matéria, a Wikipédia registra que a blockchain nada mais é do que uma tecnologia de registro distribuído, que visa à descentralização como medida de segurança. São bases de registros e dados distribuídos e compartilhados que têm a função de criar um índice global para todas as transações que ocorrem em um determinado mercado. Funciona como um livro-razão, mas na forma pública, compartilhada e universal, criando consenso e confiança na comunicação direta entre duas partes; ou seja, sem a intermediação de terceiros. Está constantemente crescendo à medida que novos blocos completos são adicionados a ela por um novo conjunto de registros. 

Definido o objeto do assunto, voltemos nossos olhos à Seção VII e Subseção I, do atual Código de Processo Civil (CPC), que tratam, respectivamente, do conceito de prova documental e da força probante dos documentos. Os artigos 405 a 429 sinalizam, em sua maioria, que documentos avalizados pelo escrivão, pelo chefe de secretaria, pelo tabelião ou servidor competente detêm maior idoneidade do que documentos particulares. 

Em razão da ‘‘assimetria na confiança documental’’, especialmente no momento da avaliação da prova, é que se percebeu a possibilidade de certificação pública de documentos particulares. Um exemplo clássico é a ata notarial, que vem sendo validada juridicamente como meio fidedigno de produção de provas. A jurisprudência do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul se revela firme e estável ao reconhecer a segurança do instituto da ata notarial. Afinal, o teor do documento particular é reduzido a termo pelo tabelionato e certificado pelo tabelião. 

Ocorre que, hoje, a tecnologia blockchain supera em muito a ata notarial, não só pela acessibilidade de valores como pela fluidez e velocidade de seu procedimento. Por definição técnica, é importante repisar, blockchain é um sistema aberto, que permite acesso de qualquer usuário, sem necessidade de permissão ou licença prévia. Em linhas gerais, a tecnologia visa à descentralização por meio de redes (P2P – peer to peer) como medida de segurança. E esta segurança é alcançada por meio da criptografia e de uma política de regras que propõem e estimulam o comportamento idôneo do usuário. 

A primeira certificação de nascimento integralmente via blockchain ocorreu em 8 de julho de 2019. A startup brasileira Growth Tech, sediada no Rio de Janeiro, registrou o nascimento de um bebê por meio de sua plataforma Notary Ledgers, que funciona como um cartório virtual. Com a tecnologia de blockchain da IBM, a solução permite emitir procurações e certidões de nascimento, de óbito e de união estável. Todos os registros ficam salvos de maneira segura, são rastreáveis e invioláveis. 

A tecnologia vem sendo utilizada como meio de certificação jurídica de documentos particulares, numa alternativa ao caráter estanque do Direito. Em 19 de dezembro de 2018, a 5.ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, ao julgar o recurso de agravo de instrumento número 2237253-77.2018.8.26.0000, considerou válida e idônea uma prova virtual colocada na plataforma OriginalMY. A intenção do autor do processo era comprovar a existência e a veracidade de tais documentos. 

De tudo o que foi exposto, percebe-se, então, a disrupção causada pelo blockchain na atual percepção e vivência do nosso ordenamento jurídico. É inegável que o emprego de tecnologia que garante uma certificação idônea e imutável de documentos vai ampliar e enriquecer o universo das provas nos meios jurídico e judicial.

NOTA

A equipe Cesar Peres, determinada a promover sua integral adequação aos dispositivos da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, em atenção às novas demandas no âmbito digital, está qualificando seus profissionais com a certificação para Data Protection Officer. Tal qualificação habilita seu staff para exercer as atribuições do cargo de Encarregado indicado no artigo 5.º, inciso VIII, da Lei 13.709/2018 e alterada pela Lei 13.853/2019, de forma a garantir a segurança e privacidade de seus dados pessoais e de seus clientes.

Fonte: Luciano Becker de Souza Soares, advogado da Cesar Peres Dulac Müller, é especialista em Direito Tributário | Data Protection Officer (DPO).

Karen Lucia Bressane Rubim, advogada da Cesar Peres Dulac Müller, é especialista em Direito Civil e Processo Civil | Data Protection Officer (DPO).

Return

Recent posts

Corporate name: get to know this asset class

Continuing with our series of posts explaining the differences between the classes of intellectual assets, today we'll look at the BUSINESS NAME. Although trademarks - the nature of which has already been described in the previous post - can sometimes be confused with business names, they are distinct legal institutes. The business name identifies the company by [...]

Read more
PERSE: legislative changes in the emergency program to revive the events sector

Law No. 14,859/2024: amendment of the Perse rules for the period 2024 to 2026. The Emergency Program for the Resumption of the Events Sector - Perse was created in 2021 with a view to helping companies linked to the events sector - the activity most affected by the COVID-19 pandemic, by reducing [...]

Read more
The extent of insurance cover in floods

The rains that have hit Rio Grande do Sul in recent weeks have destroyed farms, properties and vehicles. Even if they have insurance, car or property owners should check the coverage of their policies to see if they can get compensation. Basic insurance for cars and properties does not usually cover floods. Insurance against electrical breakdown, [...]

Read more
The agreement to sell the most famous slimming drug of the moment

It was recently reported that the Brazilian company BIOMM has signed an agreement with the pharmaceutical industry BIOCON to distribute in Brazil a drug similar to Ozempic, indicated for the treatment of diabetes, but used mainly to treat obesity. However, this will only be possible because the patent holder of the drug has certainly authorized, through a [...]

Read more
Get to know the “brand” asset class

Continuing with our series of posts explaining the differences between the classes of intellectual assets, today we're going to talk about the TRADEMARK. A trademark is a sign used to distinguish and identify a product or service. It is registered with the National Institute of Industrial Property (INPI), guaranteeing the owner exclusive use in [...]

Read more
Intellectual property gives the author, inventor or holder of knowledge the power to protect their rights.

Intellectual property gives the author, inventor and/or owner of the protected knowledge the power to protect their rights, and can, for example, prohibit third parties from producing, using, selling or importing their invention, as well as preventing the reproduction or imitation of their trademark, in addition to guaranteeing exclusivity to the owner of the creation [1] (ARAÚJO; BARBOSA; QUEIROGA; ALVES, 2010). [...]

Read more
crossmenuchevron-down
en_USEnglish
linkedin Facebook pinterest youtube lol twitter Instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter Instagram