Cesar Peres Dulac Müller logo

CPDMA BLOG

Category:
Date: 26 de July de 2019
Posted by: CPDMA team

Embaraços ao creditamento do ICMS em relação à compra de produtos de contribuinte devedor contumaz

O creditamento, pelo adquirente, em relação ao ICMS destacado nas notas fiscais de compra de mercadorias de contribuinte incluído no regime especial de fiscalização, pode ser condicionado à comprovação da arrecadação do imposto.

Em síntese, esse foi o entendimento exarado pela Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça, quando do julgamento do Agravo em Recurso Especial 1.241.527-RS, realizado no dia 19 de março, no qual litigavam o fisco estadual e uma sociedade empresária gaúcha.

Na ocasião, por unanimidade, os ministros reconheceram a constitucionalidade do Decreto 48.494/2011 e seu Regime Especial de Fiscalização (REF) no Rio Grande do Sul, mantendo entendimento do Tribunal de Justiça de que o aproveitamento do ICMS nas notas fiscais, de contribuinte neste regime, se sujeita, sim, à prova de arrecadação.

O creditamento pelo adquirente em relação ao ICMS destacado nas notas fiscais de compra de mercadorias de contribuinte devedor contumaz, incluído no regime especial de fiscalização, pode ser condicionado à comprovação da arrecadação do imposto, não havendo que se falar em violação dos princípios da não cumulatividade, isonomia, proporcionalidade ou razoabilidade. (AREsp 1241527/RS, Rel. Ministro FRANCISCO FALCÃO, SEGUNDA TURMA, julgado em 19/03/2019, DJe 26/03/2019)

Em outras ocasiões, o STJ já havia reconhecido que a antecipação tributária imposta ao contribuinte, como forma de sanção pela sua contumaz inadimplência, não teria foro de ilegalidade, porque prevista na lei estadual e devidamente regulamentada.

De qualquer forma, a atual manifestação da Segunda Turma firma um significativo precedente, com consequências substanciais. Atente-se que a decisão do STJ vale não apenas para os adquirentes de mercadorias, mas também para os próprios devedores contumazes que, possivelmente, sofrerão um agravamento em sua crise econômico-financeira.

Objetivando conhecer melhor o assunto, vale ressaltar que, no âmbito do Rio Grande do Sul, segundo a Lei 13.711, de 6 de abril de 2011, e o Decreto 48.494, de 31 de outubro de 2011, considera-se devedor contumaz e, portanto, submete-se ao REF o contribuinte que: (a) deixar de recolher débitos declarados em Guia de Informação e Apuração do ICMS - GIA, em 8 meses de apuração do imposto nos últimos 12 meses anteriores ao corrente, considerados todos os estabelecimentos da empresa; (b) tiver créditos tributários inscritos como Dívida Ativa, em valor superior a R$ 500 mil, decorrentes de imposto não declarado em GIA, em 8 meses de apuração do imposto nos últimos 12 meses anteriores ao corrente, considerados todos os estabelecimentos da empresa; ou (c) tiver créditos tributários inscritos como Dívida Ativa em valor que ultrapasse: 30% do seu patrimônio conhecido ou 25% do faturamento anual declarado em GIA ou em Guia Informativa – GI, previstas nos artigos 174 e 175 do Livro II do Regulamento do ICMS - RICMS.

Desta forma, o contribuinte submetido ao REF fica sujeito: (a) à perda dos sistemas especiais de pagamento do ICMS previstos no RICMS/RS, Livro I, artigo 50; (b) pagamento na ocorrência do fato gerador, exceto nas saídas de estabelecimento varejista, do débito próprio, e, quando for o caso, de responsabilidade por substituição tributária, conforme previsto no RICMS, Livro I, artigo 46, inciso I, alínea ‘‘f’’, e Livro III, artigo 21-B; (c) suspensão do diferimento do pagamento do imposto, conforme previsto no RICMS, Livro III, artigo 1º, parágrafo 4º, nos fornecimentos destinados à empresa enquadrada no REF; (d) obrigatoriedade de pagamento centralizado em um único estabelecimento, conforme previsto no RICMS, Livro I, artigo 40, parágrafo 3º, no caso de empresa com várias filiais; (e) fiscalização ininterrupta no estabelecimento do sujeito passivo; e (f) apresentação periódica de informações econômicas, patrimoniais e financeiras.

Neste caso, as notas fiscais emitidas deverão conter a seguinte observação: ‘‘Contribuinte submetido a REF com vencimento do ICMS no fato gerador; o crédito fiscal somente é permitido mediante comprovante de arrecadação’’. A guia ou comprovante de recolhimento deve acompanhar o trânsito e ser entregue ao destinatário.

A exigência de que a nota fiscal – emitida pelas empresas submetidas ao Regime Especial de Fiscalização – seja acompanhada pelo comprovante de arrecadação, referente ao crédito de ICMS, significa garantir que o tributo destacado será pago à vista.

Quando se tratar de substituição tributária, o destinatário/adquirente da mercadoria também é responsável pelo pagamento do ICMS-ST, conforme o artigo 11, inciso VII, do Livro III do RICMS, sendo solidário nos termos do artigo 14, inciso VI, do Livro I, se não houver a comprovação do pagamento do imposto de responsabilidade por substituição tributária.

Para o STJ, não se trata de instituir nova punição ao chamado ‘‘devedor contumaz’’, mas de impedir que receba um possível prêmio. Caso fosse afastada a aplicação do Decreto 48.494/2011, o contribuinte submetido ao Regime Especial de Fiscalização, além de eventualmente não recolher o tributo, geraria um crédito para o comprador da mercadoria.

Como se observa, na visão do STJ, tal manifestação não representaria a criação de novas sanções aos devedores como meio coercitivo indireto de cobrança, já que várias súmulas do Supremo Tribunal Federal – 70, 323 e 547 – já pavimentaram esta proibição. Para o Egrégio Tribunal Superior, trata-se, tão somente, de afastar um eventual benefício ao devedor contumaz, não havendo que se falar em inconstitucionalidade ou ilegalidade.

Fonte: Geovane Machado Alves, advogado da Cesar Peres Dulac Müller, é especialista em Direito Tributário.

Return

recent posts

A Resolução n° 80 da CVM e a dissonância com o sigilo inerente aos procedimentos arbitrais

Em vigor desde 02 de maio de 2022, a Resolução n° 80 da CVM traz um novo comunicado sobre demandas societárias, regulando o registro e a prestação de informações periódicas e eventuais dos emissores de valores mobiliários. Tal regulação foi objeto da Audiência Pública 1/21 e consolidou o conteúdo das Instruções n° 367 e 480 […]

Read more
Extinção de sociedade limitada e a responsabilidade dos sócios

O processo de extinção de uma sociedade limitada passa por três etapas, sendo a primeira delas a Dissolução, seguida da Liquidação e por fim, a Extinção. A fase de Dissolução, podendo ser parcial ou total (para o fim de extinção, ocorre a dissolução total), pode-se dizer que é o momento em que os sócios manifestam […]

Read more
CARF Decide que demora na integralização do AFAC não descaracteriza operação e afasta incidência de IOF

A Terceira Turma da Câmara Superior de Recursos Fiscais (CARF), por voto de qualidade, entendeu que a demora na integralização do capital social nas operações de Adiantamento para Futuro de Aumento de Capital – AFAC não caracteriza a operação como mútuo e, com isso, afasta a incidência de IOF. O AFAC é uma operação que […]

Read more
Philco é processada por suposta imitação de trade dress de batedeiras

A multinacional Whirlpool, dona da KitchenAid e diversas outras marcas famosas no segmento de eletrodomésticos como Brastemp e a Consul, está processando a Philco por concorrência desleal e supostos ilícitos contra propriedade industrial da linha de batedeiras “Artisan” da KitchenAid. A ação tramita na 2ª Vara Empresarial e de Conflitos de Arbitragem de São Paulo, […]

Read more
The distribution of profits by companies undergoing judicial reorganization

Não são raras as vezes que podemos observar empresas cujos sócios possuem um baixo pró-labore e têm a complementação de seus rendimentos por meio de antecipação dos dividendos. A prática, [1] contudo, não se mostrava alinhada com os preceitos da recuperação judicial e o estado de insolvência das devedoras, uma vez que os sócios estariam retirando os […]

Read more
The possibility of attachment of the guarantor's family property

Recently, the Federal Supreme Court (STF) judged an Extraordinary Appeal, submitted to the rite of general repercussion, where by a majority of votes it understood to allow commercial property lessors to pledge the guarantor's family property to guarantee the receipt of rents not paid by the lessee. In his vote, the rapporteur, Minister Alexandre de Moraes, asserted […]

Read more
crossmenuchevron-down
en_USEnglish
linkedin Facebook pinterest youtube lol twitter Instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter Instagram