Cesar Peres Dulac Müller logo

CPDMA BLOG

Category:
Date: January 18, 2021
Posted by: CPDMA team

Types of investment in startups

A entrada de investidores em startups é uma via de mão dupla. De um lado, estão as startups tentando alavancar-se no mercado, em busca de recursos para aumentar o seu capital de giro e concretizar a sua solução. De outro lado, estão os investidores, dividindo seus aportes em uma ampla carteira de investimentos e apostando cada vez mais no capital de risco em busca de maiores retornos financeiros.

As formas de ingresso do valor investido (financeiro e/ou técnico) nas startups apresentam diversas peculiaridades e dependem, principalmente, do estágio em que a empresa se encontra. É importante que o plano financeiro definido para realização do aporte esteja em sintonia com a estrutura jurídica escolhida pela empresa e pelo investidor. 

Atualmente as modalidades mais comuns de investimento em startups são, de forma resumida, as seguintes:

Incubadoras: são instituições que oferecem suporte técnico, gerencial e formação complementar às micro e pequenas empresas, a fim de que elas criem e desenvolvam suas atividades antes de ingressarem no mercado (1). As incubadoras objetivam facilitar o processo de inovação das startups e o seu acesso às novas tecnologias. Elas costumam oferecer um espaço físico com escritórios e laboratórios, além de espaços de uso comum como auditórios, sala de reuniões e uma série de outros benefícios ligados a instituições de ensino e pesquisa, órgãos governamentais e de iniciativa privada (2). 

Aceleradoras: elas podem ser consideradas como um estágio posterior à fase de incubação. As aceleradoras podem, muitas vezes, prestar os mesmos serviços que as incubadoras, mas tendo como objetivo principal orientar a parte administrativa do negócio, ajudando no desenvolvimento gerencial da empresa e principalmente auxiliando na divulgação dos produtos e serviços, a fim de preparar a startup para o recebimento de aportes financeiros de terceiros. Além disso, a aceleradora realiza o seu próprio aporte, recebendo em troca, geralmente, uma participação no capital social da startup ou uma opção de compra futura (3). 

Investimento anjo: forma de investimento que ocorre nas fases iniciais da empresa - early-stage (4). Ela é comumente realizada por pessoas físicas, geralmente profissionais liberais, empresários ou executivos experientes, através de seu patrimônio pessoal. Essa forma de investimento é chamada de smart money, uma vez que o investidor traz também a sua expertise e experiência de mercado para o negócio (5). Ressalta-se que a legislação brasileira ao regulamentar o investidor anjo, através de Lei Complementar 155/2016 (6), possibilitou que os fundos de investimento também se enquadrem na condição de investidor anjo. 

Investimento semente: é o chamado seed capital. Essa forma de investimento está num estágio acima do investidor anjo. Trata-se do primeiro aporte que a empresa receberá provindo de um fundo de investimento. Neste fundo, diversos investidores se reúnem objetivando minorar os riscos de seus investimentos, aportando dinheiro em diversas empresas em potencial e aumentando a sua chance de êxito em algumas delas (7). Essa forma de aporte é geralmente realizada em startups que já tem algum serviço/produto lançado no mercado, com faturamento de até R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais), e valores de investimento que variam entre R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais) e R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais) (8).

Venture Capital e Private Equity: tratam-se de modalidades de investimento realizadas através dos fundos de investimento. A grande diferença entre as duas é o momento que a empresa receberá o investimento. Venture Capital, como o próprio nome em inglês já diz (capital aventureiro), é o investimento realizado em empresas com grande potencial de valorização, mas que ainda possuem diversos riscos para os investidores por estarem numa fase de desenvolvimento e ascensão no mercado. Já o Private Equity, é o investimento realizado em empresas mais consolidadas no mercado, com receita e fluxo de caixa significativos (9). Geralmente é um investimento realizado para expansão de planta e/ou rede de distribuição, capital de giro ou formação de marca (10). 

Crowdfunding: é uma forma de financiamento coletivo, na qual diversos investidores financiam startups por meio de plataformas digitais. Nesse modelo, os empreendedores lançam suas ideias no mercado através dessas plataformas e buscam pessoas interessadas em investir e alavancar o seu negócio. No ano de 2017, a Comissão de Valores Mobiliários regulamentou essa forma de investimento, conceituando-o através do artigo 2º, I, da Instrução CVM nº 588 (11).

Diante do cenário promissor de startups, é fundamental para o sucesso de uma empresa que busca maior segurança jurídica, contar com o apoio de profissionais experientes e habituados a trabalhar no ingresso de investidores em empresas emergentes.

A equipe especializada em Direito Societário da Cesar Peres Dulac Müller Advocacia Empresarial está à sua disposição para auxiliar nessas modalidades de investimento, fazendo com que o alto rico se transforme em risco calculado, com o devido amparo jurídico.


(1) FERNANDES. Pedro Wehrs do Vale. A Natureza Jurídica das Incubadoras e Aceleradoras e suas Relações Contratuais com as Start-ups. Publicado em 11 de dezembro de 2017. Disponível em: http://www.bpbc.com.br/a-natureza-juridica-das-incubadoras-e-aceleradoras-e-suas-relacoes-contratuais-com-as-start-ups/ Acessado em 16 de fevereiro de 2020.

(2) SEBRAE. Como as incubadoras de empresas podem ajudar o seu negócio. Disponível em:https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/as-incubadoras-de-empresas-podem-ajudar-no-seu-negocio,f240ebb38b5f2410VgnVCM100000b272010aRCRD Acessado em 16 de fevereiro de 2020.

(3) FERNANDES. Pedro Wehrs do Vale. A Natureza Jurídica das Incubadoras e Aceleradoras e suas Relações Contratuais com as Start-ups. Publicado em 11 de dezembro de 2017. Disponível em: http://www.bpbc.com.br/a-natureza-juridica-das-incubadoras-e-aceleradoras-e-suas-relacoes-contratuais-com-as-start-ups/ Acessado em 16 de fevereiro de 2020.

(4) SEBRAE. Investimento para startup. Disponível em:https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/sebraeaz/investimento-e-confidencialidade,626a39407feb3410VgnVCM1000003b74010aRCRD Acessado em 16 de fevereiro de 2020.

(5) PORTO, Éderson Garin. Manual Jurídico da Startup: como criar e desenvolver projetos inovadores com segurança. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2018. p. 65.

(6) Lei Complementar 155/2016, que modificou a Lei Complementar 123/2006. Art. 61-D: Os fundos de investimento poderão aportar capital como investidores-anjo em microempresas e empresas de pequeno porte.

(7) GOMES, Ricardo dos Santos e Silva. Estruturas Jurídicas e Investimentos: proteção e garantias para investidores em Startups. São Paulo. Artigo – Insper, 2018. p. 20. Disponível em:http://dspace.insper.edu.br/xmlui/bitstream/handle/11224/1990/RICARDO%20DOS%20SANTOS%20E%20SILVA%20GOMES_Trabalho.pdf?sequence=1 Acessado em 16 de fevereiro de 2020.

(8) PORTO, Éderson Garin. Manual Jurídico da Startup: como criar e desenvolver projetos inovadores com segurança. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2018. p. 66.

(9) CAMARGO, Renata Freitas de. Fundos de investimento Private Equity e Venture Capital: um deles pode ser ideal para sua empresa. Publicado em 15 de agosto de 2017. Disponível em:https://www.treasy.com.br/blog/private-equity-e-venture-capital/ Acessado em 20 de fevereiro de 2020.

(10) A Indústria de Private Equity e Venture Capital – 2º Censo Brasileiro. Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Brasília: Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, 2009. p. 71. Disponível em:https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/8419/Private_Equity_e_Venture_Censo.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acessado em 20 de fevereiro de 2020.

(11) Comissão de Valores Mobiliários. Instrução Normativa CVM nº 588, artigo 2º, I.
Disponível em: http://conteudo.cvm.gov.br/legislacao/instrucoes/inst588.html Acessado em 16 de fevereiro de 2020.

Fonte: Liège Fernandes Vargas.

Return

recent posts

Extinção de sociedade limitada e a responsabilidade dos sócios

O processo de extinção de uma sociedade limitada passa por três etapas, sendo a primeira delas a Dissolução, seguida da Liquidação e por fim, a Extinção. A fase de Dissolução, podendo ser parcial ou total (para o fim de extinção, ocorre a dissolução total), pode-se dizer que é o momento em que os sócios manifestam […]

Read more
CARF Decide que demora na integralização do AFAC não descaracteriza operação e afasta incidência de IOF

A Terceira Turma da Câmara Superior de Recursos Fiscais (CARF), por voto de qualidade, entendeu que a demora na integralização do capital social nas operações de Adiantamento para Futuro de Aumento de Capital – AFAC não caracteriza a operação como mútuo e, com isso, afasta a incidência de IOF. O AFAC é uma operação que […]

Read more
Philco é processada por suposta imitação de trade dress de batedeiras

A multinacional Whirlpool, dona da KitchenAid e diversas outras marcas famosas no segmento de eletrodomésticos como Brastemp e a Consul, está processando a Philco por concorrência desleal e supostos ilícitos contra propriedade industrial da linha de batedeiras “Artisan” da KitchenAid. A ação tramita na 2ª Vara Empresarial e de Conflitos de Arbitragem de São Paulo, […]

Read more
The distribution of profits by companies undergoing judicial reorganization

Não são raras as vezes que podemos observar empresas cujos sócios possuem um baixo pró-labore e têm a complementação de seus rendimentos por meio de antecipação dos dividendos. A prática, [1] contudo, não se mostrava alinhada com os preceitos da recuperação judicial e o estado de insolvência das devedoras, uma vez que os sócios estariam retirando os […]

Read more
The possibility of attachment of the guarantor's family property

Recently, the Federal Supreme Court (STF) judged an Extraordinary Appeal, submitted to the rite of general repercussion, where by a majority of votes it understood to allow commercial property lessors to pledge the guarantor's family property to guarantee the receipt of rents not paid by the lessee. In his vote, the rapporteur, Minister Alexandre de Moraes, asserted […]

Read more
Musical parodies do not need to mention the author of the original work, decides STJ

A few days ago, the STJ released the result of a judgment promoted by the Court, which discussed the need to mention the author of the original work when making and disseminating a parody, in the light of copyright. The Superior Court of Justice granted the Special Appeal filed by Rádio e Televisão […]

Read more
crossmenuchevron-down
en_USEnglish
linkedin Facebook pinterest youtube lol twitter Instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter Instagram