Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 30 de junho de 2023
Postado por: Equipe CPDMA

A obrigatoriedade da identificação do segmento étnico e social na admissão dos empregados sob a ótica da Lei Geral de Proteção aos Dados (LGPD) e o princípio da não discriminação.

Imagem com contornos de pessoas coloridos em madeira representando segmento étnico e a LGPD.

Recentemente publicada, a Lei nº 14.553, de 20 de abril de 2023, disciplina procedimentos para a coleta de informações sobre a distribuição de diferentes grupos étnicos e raciais no mercado de trabalho brasileiro.  Nos termos da referida lei, é necessário que nos registros dos empregados seja incluída informação quanto à identificação do segmento étnico e racial dos trabalhadores. 

A exigência se estende a uma variedade de documentos e registros, incluindo, dentre outros, formulários de admissão e demissão, registros de acidentes de trabalho, instrumentos do Sistema Nacional de Emprego, a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), documentos para inscrição de segurados e dependentes no Regime Geral de Previdência Social. 

Apesar do escopo da lei ser a obtenção de dados e informações destinados à promoção da igualdade racial, permitindo que as políticas públicas e práticas de emprego sejam mais eficazes na promoção da diversidade e da igualdade racial, alguns aspectos devem ser destacados, pois podem atrair riscos aos empregadores.

Neste contexto, cabe destacar, ab initio, que a exigência legal se aplica somente ao momento da admissão do empregado e não a sua candidatura ao emprego.

Com efeito, a candidatura ao emprego é o início de um processo de recrutamento e seleção do candidato a um posto de trabalho.  

O formulário de candidatura ao emprego, se houver, compreende informações de caráter pessoal, profissional e acadêmico que visam auxiliar o empregador na avaliação da adequação do candidato à vaga de emprego, como por exemplo experiências profissionais pregressas, formação acadêmica, aptidões e competências.  O referido formulário ou a solicitação de envio do currículo do candidato, deverá coletar apenas informações essenciais às exigências do cargo, atendendo o princípio da necessidade previsto na LGPD (Lei nº 13.709/2018), nesta etapa.  

Assim, como regra, no momento da candidatura ao emprego não são solicitados dados pessoais sensíveis, salvo para vagas próprias destinadas à promoção da diversidade e inclusão.

A luz do princípio da necessidade (um dos arcabouços axiológicos da LGPD), a coleta de dados deve se restringir ao mínimo exigido para a execução das finalidades propostas. As empresas, no processo seletivo de um empregado, devem assegurar que estão coletando apenas os dados estritamente necessários para alcançar os propósitos declarados. 

Já nos documentos relacionados a efetiva admissão (preenchidos quando o candidato já foi selecionado para a vaga) são exigidos documentos que costumam incorporar informações necessárias para o registro do empregado na empresa, tais como detalhes do contrato de trabalho, informações bancárias para o depósito do salário e, com a Lei nº 14.553, passarão a incluir a autoclassificação étnico-racial do novo empregado (dado pessoal sensível).

Neste novo contexto legislativo, com base no princípio da finalidade (também essencial à LGPD), a coleta e o tratamento de dados pessoais devem se destinar a objetivos legítimos, precisos, claramente definidos e previamente comunicados ao titular dos dados.  Tal axioma, conjugado com o da não discriminação, assegura que o tratamento de dados pessoais do empregado não seja usado para propósitos discriminatórios, ilícitos ou abusivos. A não discriminação é vital para fomentar uma sociedade mais justa e inclusiva, onde todos os indivíduos sejam tratados com respeito, dignidade e igualdade de oportunidades. 

Considerando, destarte, o dever de informação do agente de tratamento para com o titular dos dados pessoais, é de suma importância que a coleta de dados sobre o segmento étnico e racial do empregado não seja realizada, reitera-se, quando de sua candidatura ao emprego, mas somente quando da sua admissão.  O empregador, além disto, deve informar de forma transparente, com linguagem clara e de forma adequada que essa coleta tem como finalidade o cumprimento de uma obrigação legal imposta pela Lei nº 14.553 de 2023.

As informações referentes à origem racial ou étnica são consideradas como dados pessoais sensíveis (art. 5º, inciso II, da LGPD). E, por se tratar de uma coleta obrigatória, a base legal para o tratamento desses dados deverá ser o cumprimento de obrigação legal ou regulatória pelo controlador (art. 11, II, item a, da LGPD).

Ao fim e ao cabo, e, em apertada conclusão, a determinação legal contida na Lei 14.553/2023, é explícita à coleta de dados étnicos e raciais somente na admissão do empregado. Os dados não podem ser exigidos nacandidatura ao emprego, pois podem conduzir, inadvertidamente, à discriminação (mesmo que não intencional) no processo de seleção e recrutamento, além de resultar em tratamento excessivo e ilícito de dados pessoais (violação a LGPD), ofensa ao princípio da não discriminação e afronta ao art. 1º, caput, da Lei 9.029/1992 e art. 7º, XXXIII, da CRFB/88.

Por: Luciana Klug
Direito Trabalhista | Equipe CPDMA

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram