Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 13 de novembro de 2023
Postado por: Equipe CPDMA

STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

Imagem ilustrativa de informação sobre o STJ

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca.

A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, entretanto limitou a responsabilidade patrimonial ao patrimônio pessoal dos associados com poder de direção ou capazes de influenciar na tomada de decisão que configura o abuso da personalidade jurídica.

Em regra, o instituto da desconsideração da personalidade jurídica é aplicável quando comprovado o abuso de personalidade através de confusão patrimonial ou de desvio de finalidade, ou seja, quando o patrimônio dos sócios se confunde com o da pessoa jurídica ou, ainda, quando a pessoa jurídica é utilizada para atingir fins para os quais não foi constituída. Nesses casos, permite-se que a autonomia patrimonial da pessoa jurídica seja afastada e se atinjam os bens e direitos dos próprios sócios. É a chamada Teoria Maior da Desconsideração da Personalidade Jurídica, com previsão no art. 187 do Código Civil.

Apesar de ser um instituto comumente utilizado na resolução de disputas dentro dos tribunais brasileiros, geralmente sua aplicação fica restrita aos modelos jurídicos de sociedades, principalmente as de responsabilidade limitada, havendo poucos estudos e julgados acerca de sua aplicabilidade às associações, fundações e sociedades anônimas.

Assim, o STJ ao decidir sobre a matéria e reconhecer a aplicabilidade da desconsideração da personalidade jurídica no caso das associações civis, ajuda a ampliar o entendimento e aprimorar a técnica para sua efetiva utilização, evitando conflitos de decisões em outras instâncias.

Ao entender pela aplicabilidade da desconsideração da personalidade jurídica no caso das associações civis, o voto do Ministro Marco Aurélio Belizze foi claro em diferenciar o tipo de relação que o sócio e o associado têm, respectivamente, com a sociedade e associação, assim embasando a diferença de tratamento entre a desconsideração de personalidade jurídica em um e outro caso.

No voto, o Ministro asseverou que ao se desconsiderar a personalidade jurídica de uma sociedade o que se alcança é um contrato societário, que vincula seus sócios no plano obrigacional - havendo um forte elemento pessoal. Ao passo que, no caso das associações, há um negócio jurídico firmado entre a própria associação e os associados (e não de associados entre si) - não havendo o mesmo vínculo obrigacional.

Dessa forma, há uma diferença entre a posição de comando ocupada por alguns associados e o mero pertencimento a associação, não sendo razoável estender a responsabilidade patrimonial que decorre da desconsideração da personalidade jurídica para o patrimônio pessoal de um grande grupo de associados que não participou dos atos que levaram a aplicação da sanção.

Do voto se extrai o seguinte trecho, que resume e define a decisão:

“Assim, a desconsideração da personalidade jurídica de uma associação civil é admissível, devendo, contudo, ser a responsabilidade patrimonial limitada aos associados com poder de direção ou capazes de influenciar na tomada da decisão que configure o abuso da personalidade jurídica.”

A decisão, assim, busca assegurar a razoabilidade e limitar seus efeitos ao patrimônio daqueles que efetivamente atuam e têm poder de decisão sobre os rumos da associação. São estes associados, membros da direção ou administração da associação, que efetivamente deram causa a aplicabilidade da desconsideração - seja pela confusão patrimonial, seja pelo desvio de função - que efetivamente responderão pessoalmente pelos danos que causarem.

Portanto, serve o referido julgado como alerta para administradores e dirigentes de associações civis, já que estes são os maiores afetados pelo reconhecimento e aplicação do instituto sobre a associação. Cabe aos dirigentes zelar pelo fiel cumprimento dos requisitos que regem a personalidade jurídica da instituição, evitando qualquer decisão que possa ensejar confusão patrimonial ou desvio de função e, consequentemente, a responsabilidade direta por qualquer dano.


[1] REsp nº 1812929 - DF (2019/0130084-7)

Por: Luiz Eduardo Casarin Antonello

Direito Societário | Equipe CPDMA

Voltar

Posts recentes

Conheça a classe de ativos - DESENHO INDUSTRIAL

Na nossa série de posts que explicam as diferenças entre as classes de ativos intelectuais, hoje trataremos do DESENHO INDUSTRIAL. O Desenho Industrial é a forma plástica ornamental de um objeto – por exemplo, o design de um produto ou o conjunto de linhas aplicadas a um produto, como uma estampa – que lhe proporcionem […]

Ler Mais
Conheça a classe de ativos - PATENTES

A PATENTE é um título de propriedade concedido pelo Estado sobre um invento inédito (patente de invenção) ou derivado de outro já existente (patente de modelo de utilidade). O pedido de registro é realizado junto ao INPI, conferindo ao seu titular, através da concessão, o direito de impedir que terceiros fabriquem, usem, exponham à venda […]

Ler Mais
Nome Empresarial: conheça essa classe de ativos

Continuando com nossa série de posts que explicam as diferenças entre as classes de ativos intelectuais, hoje trataremos do NOME EMPRESARIAL. Embora por vezes a marca – cuja natureza já foi descrita no post anterior – possa ser confundida com o nome empresarial, trata-se de institutos jurídicos distintos. O nome empresarial identifica a empresa por […]

Ler Mais
PERSE: alterações legislativas no programa emergencial de retomada do setor de eventos

Lei nº 14.859/2024: alteração das regras do Perse para o período de 2024 a 2026. O Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos - Perse foi criado em 2021 com vistas a socorrer as empresas ligadas ao setor de eventos - atividade mais afetada com a pandemia da COVID-19, a partir da redução a […]

Ler Mais
A extensão da cobertura securitária nas enchentes

As chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul nas últimas semanas destruíram fazendas, imóveis e veículos. Mesmo com seguro, os proprietários de carros ou imóveis devem verificar a abrangência da cobertura nas apólices para identificar se conseguirão indenização. Os seguros básicos para carros e imóveis não costumam cobrir enchentes. As contratações contra pane elétrica, […]

Ler Mais
O acordo para venda do medicamento para emagrecer mais famoso do momento

Recentemente foi noticiado que a empresa brasileira BIOMM celebrou acordo com a indústria farmacêutica BIOCON para distribuição no Brasil de um medicamento similar ao Ozempic, indicado para tratamento da diabetes, mas utilizado principalmente para tratar a obesidade. Contudo, isso só será possível porque a detentora da patente do remédio, por certo autorizou, mediante contrato de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram