Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 13 de novembro de 2023
Postado por: Equipe CPDMA

STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

Imagem ilustrativa de informação sobre o STJ

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca.

A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, entretanto limitou a responsabilidade patrimonial ao patrimônio pessoal dos associados com poder de direção ou capazes de influenciar na tomada de decisão que configura o abuso da personalidade jurídica.

Em regra, o instituto da desconsideração da personalidade jurídica é aplicável quando comprovado o abuso de personalidade através de confusão patrimonial ou de desvio de finalidade, ou seja, quando o patrimônio dos sócios se confunde com o da pessoa jurídica ou, ainda, quando a pessoa jurídica é utilizada para atingir fins para os quais não foi constituída. Nesses casos, permite-se que a autonomia patrimonial da pessoa jurídica seja afastada e se atinjam os bens e direitos dos próprios sócios. É a chamada Teoria Maior da Desconsideração da Personalidade Jurídica, com previsão no art. 187 do Código Civil.

Apesar de ser um instituto comumente utilizado na resolução de disputas dentro dos tribunais brasileiros, geralmente sua aplicação fica restrita aos modelos jurídicos de sociedades, principalmente as de responsabilidade limitada, havendo poucos estudos e julgados acerca de sua aplicabilidade às associações, fundações e sociedades anônimas.

Assim, o STJ ao decidir sobre a matéria e reconhecer a aplicabilidade da desconsideração da personalidade jurídica no caso das associações civis, ajuda a ampliar o entendimento e aprimorar a técnica para sua efetiva utilização, evitando conflitos de decisões em outras instâncias.

Ao entender pela aplicabilidade da desconsideração da personalidade jurídica no caso das associações civis, o voto do Ministro Marco Aurélio Belizze foi claro em diferenciar o tipo de relação que o sócio e o associado têm, respectivamente, com a sociedade e associação, assim embasando a diferença de tratamento entre a desconsideração de personalidade jurídica em um e outro caso.

No voto, o Ministro asseverou que ao se desconsiderar a personalidade jurídica de uma sociedade o que se alcança é um contrato societário, que vincula seus sócios no plano obrigacional - havendo um forte elemento pessoal. Ao passo que, no caso das associações, há um negócio jurídico firmado entre a própria associação e os associados (e não de associados entre si) - não havendo o mesmo vínculo obrigacional.

Dessa forma, há uma diferença entre a posição de comando ocupada por alguns associados e o mero pertencimento a associação, não sendo razoável estender a responsabilidade patrimonial que decorre da desconsideração da personalidade jurídica para o patrimônio pessoal de um grande grupo de associados que não participou dos atos que levaram a aplicação da sanção.

Do voto se extrai o seguinte trecho, que resume e define a decisão:

“Assim, a desconsideração da personalidade jurídica de uma associação civil é admissível, devendo, contudo, ser a responsabilidade patrimonial limitada aos associados com poder de direção ou capazes de influenciar na tomada da decisão que configure o abuso da personalidade jurídica.”

A decisão, assim, busca assegurar a razoabilidade e limitar seus efeitos ao patrimônio daqueles que efetivamente atuam e têm poder de decisão sobre os rumos da associação. São estes associados, membros da direção ou administração da associação, que efetivamente deram causa a aplicabilidade da desconsideração - seja pela confusão patrimonial, seja pelo desvio de função - que efetivamente responderão pessoalmente pelos danos que causarem.

Portanto, serve o referido julgado como alerta para administradores e dirigentes de associações civis, já que estes são os maiores afetados pelo reconhecimento e aplicação do instituto sobre a associação. Cabe aos dirigentes zelar pelo fiel cumprimento dos requisitos que regem a personalidade jurídica da instituição, evitando qualquer decisão que possa ensejar confusão patrimonial ou desvio de função e, consequentemente, a responsabilidade direta por qualquer dano.


[1] REsp nº 1812929 - DF (2019/0130084-7)

Por: Luiz Eduardo Casarin Antonello

Direito Societário | Equipe CPDMA

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram