Logo Cesar Peres Dulac Müller

BLOG CPDMA

Categoria:
Data: 1 de julho de 2019
Postado por: Equipe CPDMA

TJ instala em Novo Hamburgo a primeira Vara Regional Empresarial do RS

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul instalou nesta segunda-feira (1º/7) a primeira Vara Regional Empresarial do Estado, em Novo Hamburgo. A Comarca também recebeu, no mesmo ato, a 4ª Vara Cível Especializada em Fazenda Pública. A instalação das unidades contou com as presenças do Presidente do TJRS, Desembargador Carlos Eduardo Zietlow Duro, da Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Denise Oliveira Cezar, e da Prefeita do Município, Fátima Daudt, entre outras autoridades.

A Comarca de Porto Alegre possui Vara Regional Empresarial, mas não com abrangência regional, como é o caso da de Novo Hamburgo, cuja competência alcançará, além da sede, as Comarcas de Campo Bom, Dois Irmãos, Estância Velha, Igrejinha, Ivoti Montenegro, Portão, Parobé, São Leopoldo, São Sebastião do Caí, Sapiranga, Sapucaia do Sul, Taquara e Três Coroas.

O Presidente do Tribunal de Justiça, Des. Carlos Duro, disse que a especialização proporciona uma prestação jurisdicional mais rápida e efetiva, reduzindo o tempo processual. O Magistrado acrescentou que a instalação de mais um serviço é um momento de aproximação do TJ com a comunidade gaúcha.

A Corregedora-Geral da Justiça, Desª Denise Cezar, enfatizou a importância da especialização, acrescentando que, no caso específico da instalação em Novo Hamburgo, a iniciativa foi estimulada pelo Desembargador Jorge Luiz Lopes do Canto, presente ao ato.

A Diretora do Foro de Novo Hamburgo, Joseline Mirele Pinson de Vargas, disse que a Comarca fica melhor aparelhada para enfrentar as demandas da sociedade. Ela responderá temporariamente pela 4ª Vara Cível Especializada em Fazenda Pública, que em breve receberá novo Juiz de Direito. A 4ª Vara Especializada tem cerca de 7.500 processos, afora o Anexo Fiscal, com 26 mil feitos.

O Juiz de Direito Alexandre Kosby Boeira, da Vara Regional Empresarial, observou em seu discurso que "a recuperação do empreendimento viável e a liquidação do empreendimento inviável, preservando o feixe de contratos e os múltiplos interesses da coletividade que deles participa e depende, na velocidade exigida pelo sistema econômico e com a segurança e equidade que se esperam do sistema jurídico, é desafio que demanda a criação de estrutura capaz de responder à complexidade dos processos empresariais judicializados. É isso que o Poder Judiciário do Estado se propõe a fazer".

A Vara Regional Empresarial começa a operar com cerca de 3.500 processos de falência e recuperação judicial, da anterior Vara de Falências e Concordatas, e receberá ainda os processos novos das comarcas de sua área de abrangência.

A Prefeita de Novo Hamburgo, Fátima Daudt, classificou o momento como valioso para Novo Hamburgo e o Rio Grande do Sul e desejou sucesso aos operadores do Direito que trabalharão nas varas.

Também participaram do ato de instalação o representante do Ministério Público, Luciano Alessandro Winck Gallicchio; o representante da Defensoria Pública, Jaderson Paluchowski; o representante da Procuradoria-Geral do Estado, Eduardo Weirich; o Presidente da OAB local, Carlos Eduardo Braun; as Juízas Corregedoras Rosane Wanner da Silva Bordasch e Nara Cristina Neumann Cano Saraiva e servidores.

Fonte: Tribunal de Justiça do RS.

Voltar

Posts recentes

Uso indevido de marca por ex-sócia pode ser reconhecido não apenas como concorrência desleal, mas também como má-fé.

Em 14 de fevereiro foi veiculado no jornal “Valor Econômico”, matéria na qual é apontado que o Tribunal de Justiça de São Paulo teria reconhecido a concorrência desleal em uso indevido de marca por ex-sócia. A notícia, contudo, não informa o número do processo no qual seria possível analisar maiores detalhes da decisão, mas informa que os indivíduos teriam firmado contrato de […]

Ler Mais
As primeiras sanções aplicadas pela Agência Nacional de Proteção de Dados Pessoais — ANPD; foram como um sinal de alerta para as empresas: a LGPD é uma lei séria e deve ser cumprida.

A Lei Geral de proteção de Dados Pessoais — Lei n. 13.709/18 (LGPD) foi publicada em 2018 e entrou em vigor em 2020. Este prazo foi concedido às pessoas jurídicas de direito público e privado (agentes de tratamento) que coletam, armazenam ou tratam dados pessoais de pessoas físicas, no Brasil ou no exterior para se […]

Ler Mais
Posicionamento empresarial frente à recente decisão do STF que julgou pela constitucionalidade da cobrança de contribuição assistencial pelos sindicatos

Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, de forma unânime, pela possibilidade da cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, inclusive de empregados não afiliados, através do julgamento do ARE 1.18.459 (Tema 935 de Repercussão Geral), desde que assegurado ao trabalhador o direito de oposição, fixando a seguinte tese: “é constitucional a instituição, por acordo ou […]

Ler Mais
O novo capítulo da disputa judicial envolvendo o termo “HELLES”, registrado como ‘marca’.

Relembrando o caso… Tudo começou no início de 2019, quando a cervejaria caxiense Fassbier notificou extrajudicialmente uma série de fábricas de cerveja do Rio Grande do Sul pelo suposto uso indevido do termo HELLES, alegando possuir a exclusividade de uso sobre a expressão, tendo em vista o registro da palavra como marca. Não satisfeita com […]

Ler Mais
Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas do mesmo grupo econômico

Em recente decisão, o STF suspendeu o processamento das execuções trabalhistas que discutem a inclusão, na fase de execução, de empresa integrante de grupo econômico que não tenha participado do processo de conhecimento. No processo trabalhista, quando chega na fase de execução e a devedora principal não possui bens suficientes para pagar o débito, muitas […]

Ler Mais
STJ decide pelo cabimento de desconsideração de personalidade jurídica de associação civil, porém limita a responsabilização patrimonial aos dirigentes

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) [1] negou provimento a recurso especial apresentado pelos dirigentes de uma associação civil, que teve sua personalidade jurídica desconsiderada em processo que versava sobre uso indevido de marca. A Corte, no acórdão de relatoria do Ministro Marco Aurélio Belizze, entendeu que é cabível a desconsideração de […]

Ler Mais
crossmenuchevron-down
pt_BRPortuguês do Brasil
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram